Parceiros de Ouro
0 de 8
Créditos
» Skin obtenido de Captain Knows Best creado por Neeve, gracias a los aportes y tutoriales de Hardrock, Glintz y Asistencia Foroactivo.
» Demás Créditos del Foro.
Parceiros de Prata
0 de 26
Parceiros de Bronze
0 de 34

[Jornada] Gust F.

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

[Jornada] Gust F.

Mensagem por Gust F. em Sab Nov 17, 2018 10:45 pm

Prólogo
Anteriormente
Off's
Legendas
1: ESSE SEMESTRE NÃO ACABA NUNCA :chorei:

2: Esse é um prólogo, não deve ser avaliado!
-> Bloo
-> Karl
Capítulo: 00; Local: Ahlem City; Horário: 13h15; Trainer Level: 00; História
-Vai te fazer bem, você sabe disso! - Falou uma voz feminina.

-M-Mas... - Respondeu outra voz.

-Vamos querido, sua mãe sabe o que é melhor para você!

-Tudo bem...

Bloo é um jovem morador da cidade de Ahlem City, local onde vive desde que nasceu. Várias crianças e adolescentes dali saem em uma aventura pokémon assim que podem, mas esse não é o caso desse jovem rapaz. Na verdade, o garoto sempre foi muito recluso e odiava a ideia de sair de casa para explorar Equestria, mas os caminhos que seu pai trilhou no passado foram fundamentais para que ele recebesse uma pressão de toda sua família, lhe propondo a enfim sair de sua cidade. Mesmo assim, ele nunca se animou com a ideia e pediu um tempo até que conseguisse digerir a proposta que lhe foi feita. Quando finalmente chegou o dia em que daria uma resposta, novamente mais pressão foi exercida sobre sua escolha, o que praticamente lhe impediu de recusar. Após a conversa que teve com sua mãe, subira para seu quarto organizar suas coisas.

-Aaaaah... ao que eu estou me submetendo? - Suspirou Bloo.

-Sua mãe pode estar certa... De repente seja melhor para você. - Respondeu Karl, uma criatura em forma de fantasma que vive na imaginação do garoto.

-Mas eu não quero ir! Não quero capturar pokémon, não quero conhecer pessoas novas, não quero! - Resmungou o garoto, agora revelando sua indignação.

-Não se preocupe, eu estarei com você aqui! - Confortou a criatura branca.

Bloo seguia arrumando suas coisas, colocando-as numa pequena mochila branca que sua mãe comprou especialmente para essa jornada, com um completo desânimo e um olhar que exalava toda sua tristeza em ter tomado uma decisão que sabia que não queria. Terminou de colocar a última de suas blusas brancas e, na sequência, fechou a bolsa e a pôs em suas costas: estava preparado para iniciar sua aventura, faltando apenas a própria vontade. Descia as escadarias que ligava seu quarto com a sala de estar, onde sua mãe estava sentada e claramente ansiosa para ver seu filho se aventurar por Equestria, afinal de contas, é o sonho de toda a mãe deixar o filho viajar o mundo inteiro sem nenhum tipo de segurança quanto a isso.

-Você já está tão crescido... finalmente vai iniciar uma aventura! - Falou a mulher, que logo dava um abraço em seu filho.

-É... a-acho que sim... - Respondeu o garoto, tímido quanto ao abraço.

-Então é isso... agora você já está grandinho! Pode sair por aí! Vá e se aventure!

Após ser solto por sua mãe, Bloo apenas acenava com os braços numa forma de dar tchau e, logo na sequência, saía de sua casa. O clima não estava tão frio para os padrões da cidade, fazendo com que o rapaz pudesse caminhar sem maiores preocupações. Olhava para os lados e, após uns 5 minutos andando, já estava cansado de se "aventurar".

-Já posso voltar pra casa? - Perguntou Bloo.

-Calma! Agora que começamos! - Respondeu Karl.

-Isso está entediante! Não tem nada pra fazer! Sequer tenho pokémon e Poké Balls! Como posso fazer algo assim? - Questionou o garoto, ao notar que havia esquecido de pegar as esferas vazias que estavam acima da mesa de jantar em sua casa.

-E agora? O que você vai fazer? - Indagou o amigo imaginário.

-O que eu faço de melhor: ignorar meus problemas até que eles se resolvam.

Assim o rapaz seguiu caminhando até se aproximar da saída de Ahlem pela rota 6, quando pensou bem no que faria. Afinal, como iniciaria uma aventura sem que tivesse sequer um pokémon lhe acompanhando? Karl novamente tomou conta de seus pensamentos.

-Caara, isso não é uma boa ideia, tô falando!

-A pior ideia era de iniciar uma jornada. Já estou aqui mesmo... - Retrucou Bloo.

-Ao menos procura uma Poké Ball por aí, sempre deixam umas largadas no chão.

-Eu não acredito que saí de casa pra procurar coisas jogadas... mais fácil eu voltar pra casa e pegar lá! - Falou o garoto.

Assim, Bloo dá meia volta e começa a refazer todo o seu caminho para casa. Enquanto seguia, ouviu coisas estranhas no caminho, mas as ignorou e continuou andando. No entanto, em um certo momento, ficou muito difícil apesar fingir que não estava ouvindo você.

-Ei você de branco! - Falou uma voz feminina.

Uma última vez, o rapaz tentou ignorar aquilo e continuou andando, mas outra vez aquela voz se pronunciou.

-Ôô de branco! Olha pra mim! - Repetiu.

-Mas que Audino fofinha! Seguindo seu treinador feliz fora da Poké Ball. - Comentou um estranho com uma mulher, enquanto encarava Bloo.

-Amigão, não é por nada não, mas algo me diz que isso tem a ver com você! - Falou Karl.

-Óbvio que ia sobrar pra mim. - Resmungou Bloo, que virava lentamente sua cabeça até se deparar com uma pokémon atrás de si. -É só uma Audino! - Falou o garoto.

-Oi! - Falou a pokémon, esboçando um sorriso em seu meigo sorriso.

Bloo logo reparava que a pokémon falou com ele... em linguagem HUMANA. Ele se assustara e logo deu uns dois passos para trás, tropeçando no chão e caindo sentado. Olhava fixamente para os olhos daquela criatura como se ela estivesse com uma faca e prestes a matá-lo. Várias pessoas que passavam por ali achavam que o rapaz era louco.

-V-v-v-você f-f-f-f-ala? - Questionou o garoto, gaguejando como se tivesse vendo um fantasma.

-Ahn... falo? - Se perguntou a pokémon, assustada com o fato do garoto estar entendendo-a. -Eu falo! É a primeira vez que alguém me entende! - Afirmou, comemorando o feito.

-Q-quem é v-você?

-Eu sou a Audino! - Respondeu.

-Você conheceu uma Audino falante! Não é todo dia que isso acontece! - Zomba Karl.

-Quieto... c-como você s-sabe f-falar?

-Sabe que eu também não sei? De repente você está me entendendo! - Falou Audino, pensativa.

-O-o que você q-quer c-comigo?

Bloo não conseguia esconder seu medo quanto àquela Audino falante. Já não bastava ter saído à uma jornada pokémon praticamente forçado, ainda teria que encontrar logo de cara um pokémon que fugisse das leis naturais?

-Sabe que eu também não sei? Eu só ia te acompanhar até aonde você fosse porque... porque sei lá...

-T-tudo bem, pode me acompanhar se quiser... se não quiser não precisa... não quero forçar ninguém a nada... - Respondeu Bloo enquanto se levantava, envergonhado com a situação.

O rapaz então começou a caminhar, notando que estava sendo seguido pela pokémon, mas não falava nada, não queria incomodá-la, principalmente agora que descobrira que conseguia entender tudo o que ela fala. No entanto, a pequena criatura rosada parecia querer puxar assunto.

-Você é um humano de poucas palavras né? Os humanos que eu conheço são mais expressivos... - Comentou Audino.

-É-é... eu acho que sim...

E assim os dois continuaram andando até que enfim Bloo chegara em sua casa. Ao abrir a porta, sua mãe fica assustada com sua volta repentina, achando que ele havia desistido da jornada.

-Já voltou, querido?

-É... eu a-acho que esqueci a-algumas coisas aqui...

Logo o garoto foi entrando em sua casa para pegar as Poké Balls, enquanto Audino foi lhe acompanhando. A mulher a viu e logo um sorriso ficou estampado em sua cara.

-Você já fez amizade com um pokémon? Eu sabia que tinha vocação para isso! - Falou, enquanto observava a pokémon que retribuía o sorriso simpático.

-É... vocação... eu acho... - Respondeu Bloo num tom tão baixo que quase não dava para ouvi-lo.

-Ela parece estar feliz... - Comentou Karl.

-Fica quieto só por um segundo! - Retrucou o garoto.

Após pegar suas Poké Balls, o garoto novamente se despede de sua mãe e sai da sua casa, ainda acompanhado da Audino. Ela parecia feliz, mas não dava pra saber porque e ela também não comentava nada a respeito.

-Então você é um treinador pokémon, hã? - Questionou a pokémon normal.

-A-acho que sim... - Respondeu Bloo.

-E quais são os seus pokémon?

Nesse momento Bloo lembrou-se que ainda não tinha nenhum pokémon, mas não conseguia falar isso. Sendo encarada pela pokémon, Karl apenas observava suas 6 Poké Balls vazias com tristeza em seu olhar. Audino logo percebeu.

-Entendi... bom, sendo assim eu te acompanho!

Ao ouvir essa frase, seus olhos se arregalaram, não sabia se estava feliz, espantado ou o que fosse. Se virava lentamente para Audino, quando ela de repente pegava uma de suas Poké Balls a força e se tocava nela, se auto-capturando.

-Olha ele capturando um pokémon! Tá de parabéns! - Falou Karl.

-Você poderia ficar quieto um pouco? - Retrucou o rapaz, enquanto tentava digerir tudo o que estava acontecendo.

Do jeito mais inusitado possível, Bloo finalmente inicia, contra sua própria vontade, uma jornada pokémon. Quais serão os problemas que ele enfrentará no futuro?

[Continua...]
Gust, a cobra
Gust F.
avatar
Mensagens : 292

Gust

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Jornada] Gust F.

Mensagem por Gust F. em Qua Nov 21, 2018 1:48 pm

Boa tarde, Rota 06!
Anteriormente
Off's
Legendas
Bloo, apesar de não querer sair para sua jornada pokémon, acabou sendo pressionado sobretudo por sua mãe. Ao sair de casa, se deparou com uma Audino falante e se espantara com tal feito. Sem ter nenhum pokémon para iniciar sua aventura, a pokémon se ofereceu em ajudar o novo treinador, entrando para seu time como a primeira pokémon capturada.
1: FINAL EM CIRCUITOS LÓGICOS :chorei:

2: Se o pokémon que eu capturar agora vier fêmea, eu mato o envolvido :sei:

3: Traduzi "Gate" como "Túnel", não sei qual seria a tradução mais apropriada.
-> Bloo
-> Karl
-> Audino
Capítulo: 01; Local: Ahlem City; Horário: 13h30; Trainer Level: 01; Treino/Captura; 1º Evento
-E agora? - Se perguntou Bloo, olhando à sua frente três caminhos possíveis, cada um levando para um caminho diferente.

-Que tal a Rota 6? - Respondeu Audino.

-Q-quando você saiu da sua Poké Ball? - Questionou o rapaz, assustado com a repentina aparição de sua pokémon.

-Você não achou que eu iria ficar trancada naquela coisa minúscula a minha vida inteira né?

-Ahn... tudo bem... - Respondeu Bloo, abaixando sua cabeça, mas reerguendo-a na sequência. -Por que... por que a rota 6?

-É uma rota bonita... você não acha?

-C-claro...

-Uau, essa é a primeira vez que um treinador é treinado pelo próprio pokémon! - Zombou Karl, em risadinhas.

-Dá pra ficar quieto? - Retrucou o rapaz, cochichando para si mesmo.

-Falou alguma coisa? - Indagou Audino estranhando seu treinador estar falando consigo próprio.

-N-não, nada... vamos andar... - Falou Bloo.

Assim, o treinador e sua pokémon começaram a andar pela cidade através do caminho que os levariam enfim à Rota 6. Não demorou muito até chegarem no canal³ em questão. Antes mesmo de entrarem, tanto Bloo quanto a criatura ao seu lado conseguiam ver com clareza o ambiente do local: se tratava de um campo aberto, porém com pouca vegetação e, por estar em uma área montanhosa, ainda possuía aspectos de uma. Dessa forma, não hesitaram muito para atravessarem a passagem e finalmente pisarem na Rota.

-É a primeira vez que eu venho para cá... - Alertou Bloo em tom baixo, torcendo para que sua pokémon não tivesse ouvido, o que não foi o caso.

-Tudo bem, esse caminho vai nos levar direto para Helgardh City! Basta seguirmos reto! - Orientou Audino.

-Uau, sendo guiado pela própria pokémon! - Continuou zombando o amigo imaginário.

-Argh! Me deixa em paz! - Cochichou novamente o treinador. -Então... é só andarmos?

-Sim! E quanto antes, mais cedo chegaremos!

Assim, ambos começaram a andar pela rota. Parecia deserta, deixando o caminho livre para ser ultrapassado com muita facilidade. O sol que iluminava toda a rota parecia deixar Audino bem animada, porém Bloo ainda não estava exatamente contente com sua jornada, preferindo ficar em casa assistindo TV sozinho a isto. O silêncio entre os dois parecia incomodar o rapaz, que matutava em sua mente algum assunto para conversar com sua pokémon, já que por algum estranho motivo ele a entendia.

-Uh... como você conhece essas rotas? - Perguntou, sentindo estar incomodando Audino e em milésimos complementava a pergunta que havia feito. -N-não precisa responder se não quiser... você sabe...

-Ah... você sabe... eu era uma pokémon selvagem. Sempre gostei muito de andar por aí... - Respondeu.

-Entendi...

E assim o silêncio voltou. Eles não possuíam nenhum assunto e apenas seguiam andando. Bloo olhava aos arredores da rota, percebia que não havia nenhum pokémon e, de certa forma estranhava aquilo, mas foi Audino que comentou isto primeiro.

-Onde estão os pokémon daqui? - Questionou. -Essa rota costumava ser cheia antes...

-Isso é muito estranho... você deveria averiguar. - Falou Karl.

-Mas por que eu?

-Por que você o quê? - Indagou a pokémon, confusa.

-Ah... n-nada não... estava pensando alto... - Respondeu Bloo.

Eles então seguiram a andar pela rota, achando tudo aquilo muito esquisito. Já estavam na metade da rota e nada de encontrarem um pokémon selvagem ainda. Audino olhava para todos os lados possíveis na esperança de encontrar alguma coisa, mas nada. Bloo apenas tentava seguir em frente sem ligar para isso, mas não conseguia parar de prestar atenção na sua criatura.

-Eu acho que a gente deveria averiguar o que está acontecendo! - Sugeriu a pokémon.

-É... a-acho que sim...

-Ela você escuta... que patético... - Disparou Karl.

-Cuida da sua vida! - Retrucou Bloo, sendo mais cuidadoso em responder num tom mais baixo dessa vez.

Então, de modo a tentarem entender o que estaria acontecendo naquela rota, o treinador, juntamente de sua pokémon, saem do caminho que estavam trilhando, rumando ao oeste da rota. Apesar de ser um caminho reto, ainda existe, aos cantos da rota, caminhos que não levam a lugar nenhum senão na grande montanha que é de extrema complicação para se escalar. Em algum lugar deveria estar a resposta para o suposto desaparecimento dos pokémon da rota. Durante a caminhada alternativa, uma pequena criatura, aparentemente selvagem, finalmente deu as caras. Era pequeno e branco, não parecia medir nem mesmo meio metro. Seus olhos eram tampados pela parte verde de sua cabeça que sustentava dois chifres rosados. A pokémon capturada logo percebeu qual era o pokémon.

-Olha! Um Ralts! - Alertou Audino.

-R-Ralts... que pokémon... legal... - Comentou Bloo, que logo pegava sua Pokédex para receber informações.

Pokédex:


[Psychic][Fairy]
Ralts, o pokémon sentimento. Se seus chifres captam sentimentos calorosos de Pokémon ou Treinadores, seu corpo esquenta levemente.

-Pequenino, o que aconteceu com os pokémon selvagens dessa rota? - Questionou Audino.

-Eu... eu não sei... de repente todos sumiram! - Respondeu o selvagem.  

Bloo se assustara ao perceber que conseguia entender o que Ralts também dizia. Não sabia o que estava acontecendo, mas de repente encontrou dois pokémon falando sua língua, coisa que nunca havia visto antes.

-Esse Ralts... ele fala! - Exclamou o garoto.

-Uau! - Respondeu Karl, fingindo surpresa.

-Está falando de mim? - Questionou Ralts. -Eu falo a minha língua, ué!

-C-como eu... como eu te entendo?

-Não sei... - Respondeu o selvagem.

-Os pokémon selvagens... onde estão? - Indagou Audino, interrompendo a conversa entre o treinador e o selvagem.

-Tudo o que eu lembro... era de um pokémon grandão assim ó! - Falou Ralts, esticando ao máximo seus braços.

-Um pokémon grande? Lembra a cor?

-Ele era mais grandão que você! Era verde! Tinha asas, voava!

-Voava? Era um pássaro! - Comentou Audino, enquanto tentava imaginar a perfeita imagem do pokémon que estava sendo descrita.

-Não dona... ele parecia um insetão!

-Dona? - Riu Karl, enquanto apenas ouvia o diálogo entre os pokémon à frente de Bloo. -Ele é só uma criança, ainda...

Audino parecia confusa com a imagem que estava tendo em sua mente, enquanto Bloo tentava também entender de quem se tratava. Karl apenas ria, tirando a concentração do garoto, que não parecia conseguir ajudar sua pokémon.

-Dá pra fazer silêncio? - Reclamou o treinador.

-Não dá! - Respondeu Karl, que caía na gargalhada por alguns segundos. -Você qual é o pokémon... viu diversas na TV!

-Scyther?

-Dã, é óbvio!

Bloo observava que Audino estava tendo dificuldades em achar o nome do pokémon, enquanto o pequeno Ralts seguia dando dicas para ver se ficava claro, porém nada parecia fazer sentido para ela. O garoto parecia hesitar em falar a resposta certa, mas encorajado por seu amigo imaginário, finalmente pôs sua voz para fora de modo que os dois escutassem.

-S-seria um... Scyther?

-ISSO!  - Gritou Ralts, vibrando com a resposta correta. -Bom... eu acho né... - Repensou.

-Scyther? Por que ele seria tão ameaçador assim? - Questionou a pokémon normal, agora com mais dúvidas do que antes. -Vamos continuar nossa investigação! Vamos lá!

-Eba! - Falou o pequenino, acompanhando Audino.

Audino e Ralts começaram a andar em direção ao leste quando Bloo, que iria começar a acompanhá-los, fora abruptamente interrompido por Karl, que o pediu para esperar um pouco. Sem perceber que não estavam sendo acompanhados pelo humano, os pokémon tomaram a dianteira da caminhada. O rapaz, enquanto isso, apenas queria tentar entender por que fora parado pelo amigo imaginário.

-Quié, coisa ruim?

-Você é um treinador! Sabe exatamente o que tem que fazer com aquele Ralts! - Comentou Karl.

-Eu sei? - Questionou Bloo, confuso com o que seu amigo imaginário lhe disse.

-Ralts não é um pokémon exatamente comum... você precisa capturá-lo!

-Mas... ele é claramente feliz na natureza!

-Infelizmente essa é a regra do jogo! Você precisa de mais pokémon no seu time! Com o tempo se acostumará! - Respondeu o amigo imaginário.

-Você vem, Bloo? - Questionou Audino, que enfim sentira falta de seu treinador.

-Já estou indo... - Falou Bloo, como sempre, de forma tímida. -Conversamos depois!

O trio seguia caminhando, sendo que Ralts era claramente o mais animado. A rota seguia deserta, sem nenhum pokémon ou humano aos arredores, o que preocupava Audino, que pensava em mil e uma possibilidades para o tal Scyther em questão. Após uns 15 minutos caminhando no mais puro silêncio, com exceção do pokémon psíquico que cantarolava enquanto saltitava pela rota, a pokémon normal começou a sentir os primeiros sinais do cansaço, sentando-se apoiada numa das poucas árvores aos arredores para descansar. Bloo viu o momento como uma boa oportunidade para fazer a mesma coisa, enquanto o pequeno Ralts se decepcionara com os dois.

-Poxa, já paramos? - Reclamou o pequeno, que sentava-se próximo à Audino.

Sem responder a nada, a pokémon fazia uso de sua habilidade natural, analisando os sentimentos de Ralts, tentando encostar as pontas de sua orelha nele no momento em que ele se acalmara, mas sem que ele conseguisse perceber ou, então, se incomodar. Não demorou muito até que ele voltasse a ficar agitado de novo, mas o tempo utilizado fora suficiente para fazer Audino esboçar um sorriso em sua face. Bloo reparou naquilo mas decidiu não comentar para não incomodá-la. O tempo passava, mas a investigação não parecia ter progresso, o que incomodava o pequeno Ralts.

-Eu quero continuar andandooo! - Reclamou o pokémon, fazendo birra e ameaçando querer chorar.

-Realmente... ficamos parados por muito tempo! Vamos continuar, Bloo? - Questionou a pokémon normal, olhando para seu treinador e esperando uma resposta.

-P-pode ser... - Respondeu o garoto.

-Eu nunca vou me esquecer destas cenas! Não dá pra acreditar que você está sendo treinado pela própria pokémon! - Zombou Karl.

Apenas ignorando seu amigo imaginário, Bloo seguiu a caminhada acompanhado de sua pokémon e Ralts, mas não pareciam chegar a lugar algum. Dessa forma, continuaram a caminhar na direção norte para verem se conseguiam ter sorte. De fato funcionou, não demorou muito até que os três pudessem ver um pontinho verde distante.

-É ELE! É ELE! - Vibrou Ralts, reconhecendo a criatura.

-Só nos resta caminhar até lá, então! - Comentou Audino, fazendo com que os três começassem a seguir pelo caminho que os aproximassem do suposto pokémon inseto.

-E... e se ele nos atacar? Vamos revidar? - Questionou Bloo, que novamente acreditando estar incomodando, tentou falar mais coisas por cima, mas antes mesmo de tentar já teve sua resposta.

-Se ele nos atacar nós fugimos! Eu não batalho! - Disparou Audino.

-Não... batalha?

-Que encrenca meu amigo... - Opinou Karl.

-Você só aparece nas piores horas né? - Reclamou o garoto.

-Desculpa... eu não gosto de batalhar!

-Mas... se ele nos atacar...

-Nós fugimos! - Interrompeu Audino.

Bloo não entendia o comportamento da pokémon normal, mas continuou seguindo ela. Karl tentava alertar os perigos de se mexer com um Scyther, principalmente por conta de sua alta velocidade, mas o rapaz não lhe dava atenção. Quando finalmente se aproximaram o suficiente do tal ponto verde para terem certeza que se tratava do pokémon inseto que procuravam, Bloo optou por usar sua pokédex na criatura, que logo emitia as informações.

-O QUE VOCÊ ESTÁ FAZENDO? VAI PROVOCAR O SCYTHER! - Gritou Karl na mente do garoto, que continuava não prestando atenção, enfim apontando a câmera de seu aparelho no pokémon.

Pokédex:


[Bug][Flying]
Scyther, o pokémon Louva-deus. Ele confunde sua presa com seus rápidos movimentos parecidos com ninjas. Então, em instantes, corta ele com suas foices.

Ao ouvir a voz da pokédex, Scyther se vira para o local de onde o som está sendo emitido e olha fixamente para a cor do aparelho que, para o azar de Bloo, é vermelha. Seus olhos rapidamente mudam de cor e seus estímulos agressivos começam a percorrer o corpo, deixando o treinador preocupado. Em segundos, o pokémon esverdeado abre suas asas.

-CORRE! - Gritou Karl.

Pela primeira vez em alguns minutos o rapaz finalmente deu atenção a seu amigo imaginário e começou a correr sem parar, de modo que o pokémon inseto fosse atrás. Sua velocidade era muito alta e era questão de poucos segundos para que Bloo fosse alcançado. Mas, após olhar para trás, reparou que a criatura parou de persegui-lo. Sem entender porque, reduziu sua velocidade a zero e começava a por atenção nas coisas: foi quando notou que Audino havia atacado-o.

-V-você atacou ele?

-E-eu acho que sim... mas eu não queria... - Respondeu a pokémon normal, sentindo-se culpada com o que fizera.

-A-acho que vamos ter que... desmaiá-lo... - Comentou Bloo.

-Não! Não irei batalhar! - Exclamou Audino, decidida.

Scyther, que estava caído, começou a ter forças para se levantar e, observando quem havia atacado-o, disparou-se para Audino, utilizando-se de seu Quick Attack. Num rápido movimento, a criatura atingiu seu alvo sem que ela sequer percebesse. Bloo preocupava-se com sua pokémon e novamente dava a ideia.

-N-não temos outra saída!

-M-mas... eu vou machucá-lo! - Respondeu.

-É ele ou você!

Bloo estava sentindo, sem nem perceber, algo que ele nunca sentira antes: determinação. Estava tão fixado em querer proteger sua nova pokémon que nem mesmo ligava para seus pensamentos que o deixavam reclusos. Pela primeira vez ele mudara aquele tom baixo e tímido de sua voz para um que estivesse claro que ele tinha certeza do que queria. Seu medo estava sendo substituído pela vontade de querer ver sua pokémon bem. Audino, mesmo distante, conseguia sentir essa determinação, a alma de seu treinador querendo se conectar com a sua. Então, após receber o dano de Scyther, o qual já estava preparando outro movimento, ela olha para Bloo e, sem dizer absolutamente nada, volta a encarar Scyther.  Aceitava o fato que estavam em uma batalha pokémon.


-Vamos começar enfraquecendo-o! Use seu Baby-Doll Eyes!

-Certo!

Os olhos de Audino começavam a brilhar de um modo fofo. Isso chamava a atenção de Scyther que, assim que começou a fazer uso de sua velocidade para atacá-la, acabou recuando um pouco por ficar com dó da oponente, o que reduziu a força de seu movimento, mas não o parou. Assim que se deu conta que estava no combate, utilizou mais uma vez seu Quick Attack para atacá-la com força total.

-Nós vamos precisar partir para um movimento de dano agora... vá de Pound!

Assim que ouviu os comandos de seu treinador, a pokémon logo o obedecia, fazendo uso de suas mãos para atacar o inseto, o atingindo certeiramente. Audino lhe deu um considerável dano, por mais que Scyther tentasse disfarçar a dor que sentira, mas não foi o suficiente para derrotá-lo, na verdade nem perto disso. O selvagem logo utilizou seu Focus Energy, o que lhe fazia concentrar todo o seu poder, aumentando assim as chances de disferir um movimento crítico. Audino olhava para ele com seriedade, enquanto aguardava novas ordens.

-Não temos muita escolha... teremos que seguir com Pound!

A alta velocidade de Scyther o fazia ter a chance de atacar primeiro, principalmente em se tratando de um movimento que já é rápido por natureza. Dessa forma, o pokémon esverdeado concentrou toda a sua velocidade e disparou-se contra seu alvo utilizando seu Quick Attack e, sem sorte, não conseguiu dar o dano extra vindo de um ataque crítico. Audino já dava os primeiros sinais de ferimento, mas resistia por seu treinador, enquanto atacava o inseto com mais um Pound, de modo a batê-lo com toda a força que conseguia usar. Tal como a pokémon normal, Scyther também apresentou os primeiros sinais de cansaço do combate, o que indicava que o fim do confronto poderia estar próximo.

-Teremos que continuar com o Pound! Está dando certo! - Comandou o garoto.

Scyther aproveitava a energia que ainda tinha para novamente fazer uso de seu Quick Attack, de modo a concentrar toda a sua velocidade e, assim, disparar-se contra Audino, que novamente sentia os danos do movimento e feria-se ainda mais. A pokémon normal, por sua vez, não deixou o golpe que recebera barato e, dessa forma, contra-atacou mais uma vez utilizando de seu Pound, fazendo uso de suas delicadas mãos para tapear seu oponente com a maior força que conseguisse e, apesar de não ser tão forte, conseguiu deixar o inseto tão ferido a ponto de fazê-lo cair no chão desmaiado.


-Esse Scyther não era tão poderoso, afinal... - Observou Bloo, ao ver o selvagem desmaiado em apenas três movimentos.

-É agora! Capture-o! - Falou Karl ao notar a derrota de Scyther.

-ISSO FOI IRADO! - Comemorou Ralts, que acompanhara a batalha do começo ao fim.

Bloo prestava atenção nas palavras de Karl, ignorando por completo o pequeno Ralts. Logo pegava uma de suas Poké Balls vazias e se preparava para jogar contra o inseto, quando começou a ouvir sons de asas batendo. Audino começou a se preocupar com aquilo, olhando para todos os lados, enquanto o treinador acabou não conseguindo se focar na captura.

-Não era apenas um Scyther... - Comentou a pokémon, ao finalmente perceber que vários Scythers estariam se aproximando. -Vão nos cercar, fujam!

-M-mas... e você? - Indagou Bloo, vendo que Audino não aguentaria correr por conta da batalha.

-Apenas corra!

Bloo pensou no que faria, escolhendo ficar no mesmo local para proteger sua pokémon. Ralts não entendia o que estava acontecendo naquele momento, portanto sequer ligava para o iminente perigo que se aproximava. Audino se preocupava com a situação em que todos estavam, mas não conseguia se mover tanto por conta dos ferimentos do combate. Restava apenas esperar por um milagre. Um grupo com pelo menos cinco Scythers se aproximava cada vez mais rápido e em questão de segundos já estava rodeando o treinador e os dois pokémon. Prontos para atacá-los, Bloo apenas senta abraça Audino e fecha seus olhos esperando pela dor...

...Mas nada aconteceu. Assim que abriu seus olhos, o rapaz, sua pokémon e o pequeno Ralts estavam envolvidos por um escudo criado por um pokémon branco e quase esférico, possuindo dois chifres. Um outro homem estava dentro do escudo e provavelmente o treinador desse pokémon.

-Watchog, Iron Tail! Magcargo, Flamethrower! - Comandou o desconhecido, liberando outros dois pokémon.

Sem atingir nenhum dos Scythers, os dois pokémon usavam juntos os movimentos que lhes foram ordenados, de modo apenas a assustar os insetos e afastá-los dali, conseguindo o objetivo com sucesso. O homem logo retorna seus três pokémon para suas esferas e, sem olhar para o treinador, que ainda estava sentado com sua Audino, começa a falar.

-Essa foi por pouco! Se eu não tivesse aqui vocês estariam acabados agora! Deveriam tomar mais cuidado! Estes Scythers estão tomando conta de toda a rota, não deveriam mexer com eles!

-E-eu sei... - Respondeu Bloo, envergonhado.

-De qualquer maneira, ainda bem que vocês não estão feridos! - Falou o estranho.

De modo a se ajudar, o homem se vira para Bloo para ajudá-lo a levantar-se e, nesse momento, o garoto sente algo estranho, um sentimento esquisito que nunca havia sentido antes. Era como se eles, de alguma forma, já se conhecessem. Assustado, o menino tenta reconhecê-lo, mas não consegue.

-Aconteceu alguma coisa? - Perguntou o desconhecido, que estava estranhando os olhares de Bloo.

-E-eu... te conheço? - Indagou Bloo, tímido porém curioso.

-Não... é a primeira vez que eu te vejo! Não está me confundindo com outra pessoa?

-Pode ser... - Pensou o treinador.

-De qualquer maneira... nos vemos por aí.

Logo o desconhecido estendia sua mão para Bloo que, hesitando um pouco, resolveu cumprimentá-lo de volta. Assim que apertaram suas mãos, a estranha sensação veio ainda mais forte, era como se eles não só se conheciam... como ainda tinham uma ligação especial. Bloo resolveu não falar nada e, então, seguiu caminho contrário em relação ao homem. Voltando ao caminho tradicional, o garoto tentava carregar sua Audino nas costas que, por mais que fosse um pouco pesada, ele ainda aguentava por algum  tempo. Ao ver que não conseguiria mais carregá-la, decidiu fazer algo mais prático e que só pensara quando suas costas começaram a doer: pegou em sua mochila uma de suas Potions e borrifou nos ferimentos dela. Não demorou muito tempo até ela estar revigorada.

-Obrigada! - Falou Audino, após se sentir muito melhor.

Os dois então seguiram caminhando pela rota, porém a pokémon normal notou que não estava sozinha. Logo atrás deles estava Ralts com todo seu ânimo, tirando da companheira de Bloo um sorriso. O garoto, que demorou um pouco mais pra perceber a presença do pokémon psíquico, lembrou-se da dica de Karl e, de repente, percebeu que ele estava há um tempo sem dar as caras. Resolveu não incomodar o amigo imaginário, mas tentou seguir seu conselho: pegando uma de suas esferas vazias, lançava-a contra Ralts.

-O QUE VOCÊ ESTÁ FAZENDO? - Gritou Audino, desesperada.

-E-estou capturando... eu acho... - Respondeu Bloo, que observava a esfera se mexendo inquieta.

Não demorou muito até enfim a Poké Ball parar de se movimentar, indicando que a captura foi um sucesso. Audino ficara chocada com o ato repentino de Bloo e parecia estar completamente brava com ele.

-Por que você fez isso? - Indagou, num tom mais sério que o normal.

-E-eu precisava... de mais pokémon... você sabe... - Respondeu o garoto.

-Ele merecia ser livre! - Reclamou.

-M-mas... agora ele vai nos acompanhar! - Falou Karl, lembrando-se da cena que ocorrera enquanto ambos descansavam. -Eu sabia que você estava gostando dele... agora estaremos juntos!

Audino nada respondeu, mas não deixou de estampar em seu rosto um sorriso. No fim das contas ela não parecia ter ficado tão brava com seu treinador, agora teria a companhia de um pequeno e agitado pokémon. Bloo, em meio a tantos mistérios, ficou sem descobrir o que de fato estava acontecendo na rota, uma vez que os pokémon selvagens de fato quase não apareceram, mas acabou conseguindo um novo pokémon em seu time. Agora a jornada dele continua!

[To Be Continue...]
Gust, a cobra
Gust F.
avatar
Mensagens : 292

Gust

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Jornada] Gust F.

Mensagem por Kio' em Qua Nov 21, 2018 2:35 pm


Avaliação

» Comentários: No geral, gostei bastante da sua jornada, e não tenho muito o que comentar. Vi poucos erros e a história foi bem construída, dando espaço para todos os personagens poderem ser desenvolvidos aos poucos conforme avançava a leitura. A narração, apesar de em alguns pontos ser mais fraca, também está em um nível bom, mas deixo a dica de tentar descrever de forma mais abrangente as ações e movimentos nas batalhas, sem se prender tanto no básico, você pode expandir muito mais a imersão do leitor, basta tentar.

» Nota: ✬✬✬✬

» Condições:

Audino 20/20


Captured!

» Prêmios:
Bloo recebe 200 de Exp de classe e sobe para o nível 2! (100/200)
Audino ganhou 1200 de Experiência e subiu para o nível 8! (150/450)
Bloo recebe um Berry Juice.
Kio'
avatar
Mensagens : 29

Kio

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Jornada] Gust F.

Mensagem por Gust F. em Dom Nov 25, 2018 9:05 pm

Neste mundo...
Anteriormente
Off's
Legendas
Bloo finalmente iniciou sua jornada ao lado de sua nova pokémon Audino. Enquanto caminhavam pela rota 6, perceberam que os pokémon selvagens simplesmente não apareciam. Ao tentarem entender o que acontecia, o treinador se deparou com um Ralts e diversos Scythers violentos. Quase sendo atacado pelo grupo de insetos, Bloo se viu salvo por um homem que, por algum motivo, parecia já ser conhecido, apesar de nunca tê-lo visto antes. Salvo, Bloo optou pela captura do pokémon psíquico.
1: EU DEVERIA ESTAR ESTUDANDO :chorei:

2: Oi :s2:

3: Caro(a) avaliador(a), poderia por gentileza diminuir a figura do Ralts na minha Party pra 150x150? Agradecido.

4: Essa é a jornada da referência, obrigado.
-> Bloo
-> Karl
-> Audino
-> Ralts
Capítulo: 02; Local: Rota 06; Horário: 14h15; Trainer Level: 02; Treino; 2º Evento
-O que foi isso? - Falou Ralts assim que fora liberado de sua Poké Ball.

-Meu pequenino! - Exclamara Audino assim que via o pequeno psíquico.

-A-acho que é isso... - Disse Bloo, guardando a Poké Ball de seu pokémon no bolso e, aparentemente, voltando ao seu estado tímido e natural de comunicação. -O que nós fazemos agora?

-Continuamos andando... - Respondeu a criatura normal.

Sob o sol que raiava pela Rota, o treinador e seus dois pokémon seguiam andando pela rota. Novamente, Ralts era o mais agitado e que andava sempre na frente, enquanto os outros dois iam logo atrás. O caminho não parecia trazer muitas emoções para o time, que seguiam calmamente rumo a Helgardh City. O silêncio entre os três fazia Bloo perceber que estava tudo definitivamente quieto. Desde o encontro com o tal homem, Karl nunca mais deu as caras, o que fazia o rapaz estranhar tudo aquilo, mas ao mesmo tempo não falava nada, apenas seguia caminhando. Ao olhar para o lado, Bloo ainda observava Audino, que parecia estar chateada com alguma coisa. A pokémon retornou o olhar para o treinador.

-Tinha que ser dessa forma? - Questionou.

-O-o quê?

-A batalha... precisava mesmo?

-É... acho que não tínhamos outra escolha... - Respondeu Karl, com sua cabeça baixa.

Audino apenas olhava tristemente para seu treinador e voltava sua visão para frente, voltando ao mais puro silêncio. Os minutos se passavam e o fim da rota não parecia chegar nunca. Bloo novamente se via na necessidade de descansar suas pernas e, na primeira árvore que passara por perto, parou e sentou-se apoiado nela. A pokémon normal observava aquilo e decidiu parar também, sendo que, novamente, Ralts foi o único a ficar chateado com a situação.

-Aaaah, qual é, vamos parar de novo? - Reclamou o psíquico.

-Só por alguns minutos... nós já voltaremos a andar! - Respondeu Audino.

-Ok, posso passear sozinho um pouco?

-Não vá muito longe! - Alertou a pokémon.

A relação entre Audino e Ralts parecia se intensificar a cada momento em que eles ficavam juntos. Seguindo as instruções, o pequeno pokémon fada seguiu caminhando pela rota sozinho e sem orientação alguma. Ele seguia pelo caminho praticamente oposto, enquanto Bloo e sua companheira do tipo normal acabaram pegando no sono. Perdendo a noção da distância, Ralts seguiu caminhando por alguns bons metros até que se depara com um pokémon flor, estranhamente posicionado naquele lugar. A criatura tinha o corpo verde e a cabeça semelhante a um girassol, que não hesitara em conversar com o recém-capturado.

*Ei criança, está andando sem rumo?

*Parece estar perdida por aí!

-Ahn? Eu? Não... eu acho... - Comentou Ralts, estranhando alguma coisa.

*Então... você é novo por aqui!

*Eu sou Flory. Flory, a Sunflora!

-Espera... - Comentou Ralts, estranhando alguma coisa. -Tem alguma coisa estranha!

*Não tem nada de estranho, bobinho!

*É tudo coisa da sua imaginação!

-Sim, tem algo estranho! - Insistiu o pokémon. -Por que sua fala é tão grandiosa e especial?

*Porque eu sou grandioso e especial, oras!

*Vamos lá, alguém tem que te ensinar como as coisas funcionam aqui!

-Coisas? Que coisas? - Indagou Ralts.

*Oras, tudo! Primeiramente, você precisa treinar.

*Treinando você pode ficar mais forte e aprender novos movimentos!

-Eu quero ser forte! Como eu treino? - Perguntou, animado.

A estranha criatura que possuía uma caixa de diálogo especial somente para ela parecia estar atiçando a curiosidade de Ralts. Muitas questões deveriam ser respondidas acerca de "Flory", como o próprio se denomina, mas não parecia ser de interesse do pequeno pokémon psíquico, o qual apenas mantinha seu foco na conversa do pokémon planta.

*É simples! Basta você batalhar!

*Quanto mais oponentes você derrota, mais poderoso fica!

-Poderoso? - Falou Ralts, com seus olhos brilhando pela possibilidade. -E como eu batalho?

*Isso é fácil!

*Venha mais perto pra eu te dizer! Não queremos que outros ouçam, é um segredo!

Ralts, em toda sua inocência, aproximou-se de Flory, que pedia que ele ficasse cada vez mais e mais perto, até que, enfim, com um estranho Vine Whip (que Sunfloras comuns não são capazes de aprender), a pokémon planta prendeu o pequeno psíquico. Sua feição amigável repentinamente mudou, deixando Ralts completamente assustado.

*Criança idiota! Deveria saber que confiar em estranhos é errado!

*Nenhuma alma viva vai te dar a vitória de graça.


*Neste mundo, é matar ou morrer!

*Ninguém passaria uma oportunidade dessas passar em branco!


*MORRA!


Neste momento a pokémon planta começou a carregar um movimento que aparentava ser poderoso: seu Solar Beam. Já traumatizado com as feições que Ralts via da malígna criatura que lhe prendera, ele logo começou a gritar desesperadamente por ajuda. Sunflora ouvia aquilo e, enquanto aguardava o momento certo para lançar o golpe contra sua vítima, gargalhava-se de seu desespero. O movimento estava quase totalmente carregado quando alguém, ouvindo os gritos do pokémon psíquico, conseguiu intervir a tempo. Uma poderosa chama era lançada contra a pokémon gramínea, que logo se desconcentrara em seu golpe e libertara Ralts sem que percebesse. Audino que ouviu os gritos de socorro, chegou a tempo de ver aquela cena e pegou Ralts em seu colo.

-RALTS! Está tudo bem? - Questionou Audino desesperada, ao ver que o pokémon psíquico caía no choro.

-O que aconteceu aqui? - Perguntou uma voz conhecida, que observava a criatura normal chegar junto.

Bloo chegava correndo logo na sequência, observando que a galera toda já estava reunida. Audino, com o pequeno Ralts em seu colo, tentava acalmá-lo, enquanto a Sunflora estava desmaiada no chão. O garoto parecia preocupado, olhando para todos os lados tentando entender o que estava acontecendo, mas não conseguia. Ao ver o rapaz e seu Magcargo novamente, ele parece ter ficado ainda mais tenso.

-Eu sabia que estava reconhecendo esses pokémon... então eles são seus... - Comenta o homem.

-S-sim... são meus... - Respondeu Bloo, cabisbaixo.

-O que aconteceu, fala por favor! - Falou Audino, desesperada.

-Ele... era legal... de repente... - Tentou explicar o pequeno psíquico, sem sucesso.

-Essa Sunflora é muito estranha... - Comentou o desconhecido, observando atentamente à flor desmaiada. -Ela é muito mais poderosa que o normal...

-M-mas por quê?

-Não sei... vou ter que analisar de perto... - Comentou o rapaz, que jogava uma esfera preta com detalhes amarelos na pokémon, capturando-a, de tal modo que o objeto automaticamente desapareceu, provavelmente indo para sua Box. -Acho melhor você cuidar de seu Ralts... ele parece estar... abalado. - Continuou, olhando para Audino e Ralts e vendo a situação deles.

O pequeno pokémon fada não parecia se acalmar. As caretas que Sunflora fez (ou que ele imaginara que tivesse feito) muito provavelmente o deixaram traumatizado. A criatura normal até tentava acalmá-lo, mas sem sucesso nenhum. Por ser apenas uma criança, as atitudes que Sunflora tivera com ele pode acarretar em traumas que perdurarão a vida inteira do pequenino.

-Ele tem grande potencial... - Continuou falando o rapaz, enquanto olhava pro Ralts. -Só precisará enfrentar seus medos...

Enquanto terminava sua frase, olhou para uma de suas esferas bicolor que havia consigo. A luz do sol fazia ela reluzir e, em alguns segundos, a jogava para o alto. Dela saía um pokémon bípede com a coloração muito semelhante à do pokémon de Bloo. Ralts, ainda com lágrimas em seus olhos, tentava parar de chorar imediatamente ao vê-lo e, mesmo ainda muito assustado com o que estava acontecendo, observava-o com muita atenção.

-Este é Gallade, um velho amigo meu! - Falou o rapaz, enquanto dava leves tapinhas nas costas do pokémon. -De certa forma, ele já passou por coisas semelhantes!

Audino observava que seu companheiro logo parara de chorar e estava agora observando dos pés a cabeça o pokémon que havia saído da esfera. Se aproximava lentamente dele, enquanto Bloo utilizava sua pokédex para receber maiores detalhes da tal criatura.

Pokédex:


[Psychic][Fighting]
Gallade, o pokémon lâmina, é a forma evoluída de Kirlia. Por conseguir sentir o que seu oponente está pensando, seus ataques estouram primeiro, rápido e feroz.

Não querendo se aproximar tanto, Ralts ficou parado atrás da perna de Bloo, puxando a perna de sua calça para receber atenção. O rapaz notara isso e logo se abaixava um pouco para ouvir o pequenino.

-E-ele parece forte... - Falou, baixinho. -Posso batalhar com ele?

Bloo olhava assustado para seu pokémon. Até mesmo Gallade, que conseguira ouvir de relance, também não conseguiu esconder sua expressão de surpresa.

-M-mas... ele é muito forte! - Tentou explicar o garoto.

-Aquela... aquela flor disse... - Falou o pokémon psíquico, travando em sua fala e voltando a chorar, agora menos do que antes.

-Espera... você entende seu Ralts? - Questionou o desconhecido, surpreso.

-S-sim...

-Isso é estranho... - Respondeu, curioso com o fenômeno.

Ralts continuava chorando, quando Audino o pegou em seu colo e começou a balançá-lo para ver se conseguia fazer com que ele se acalmasse. Gallade observava a atitude do pequeno e fazia gestos de reprovação, mas sem falar nada. Bloo observava o lutador com atenção, reparando em cada um de seus movimentos. Queria tentar entender a personalidade dele, mas não conseguia. O pequeno pokémon do treinador, tentando parar de chorar após alguns segundos, finalmente conseguir terminar de dizer o que queria.

-...disse que eu me tornaria mais forte se batalhasse!

-Se tornar... mais forte? - Indagou Bloo, curioso.

-Toda criança sonha em se tornar o melhor em alguma coisa... - falou o treinador do Gallade. -Com Ralts não poderia ser diferente... não deixe os sonhos dele virarem pó!

Aproximando lentamente da dupla, ele estende a mão para Ralts, que aos poucos conseguia parar de chorar, de modo a demonstrar apoio. Audino se perguntava o que ele queria, mas não confiava muito, segurando o pequenino com ainda mais força. O pokémon psíquico tinha seu corpo aquecido levemente, mas nada que a criatura normal conseguisse sentir. Insistente, o rapaz estende mais um pouco sua mão.

-Você não pode enfrentar qualquer um... tem que fazer isso aos poucos! - Falou o estranho, recebendo a atenção da criatura psíquica. -Você pode ser o mais forte, mas deve treinar muito para isso! - Prosseguiu.

Bloo observava com atenção as atitudes do homem, que conseguira, não só tirar a atenção do pequeno pokémon, mas também sua confiança. Audino não pareceu ter gostado nada, mas seu treinador estava curioso. O desconhecido logo olhava para o menino de cabelo branco, com Ralts em seu colo.

-Por sorte, eu capturei um pokémon nessa rota para tentar obter mais informações do que estava acontecendo aqui... podemos batalhar se você quiser! - Falou, olhando para a criaturinha em seu colo. -Mas acredito que o pequenino quer.

Bloo se assustava com a proposta oferecida, mas olhava para os olhos de seu pokémon brilhando com a oportunidade que tinha de realizar o combate. Não conseguira recusar a oferta, o que fez Ralts pular do colo do estranho e ir imediatamente para o lado de seu treinador. Com um sorriso estampado em seu rosto, o homem logo joga uma de suas esferas para o alto e libera um de seus pokémon.

-Este é Ekans! Peguei ele há alguns minutos!

O menino olhava nos olhos do homem e percebia que algo não estava exatamente... correto. A forma como ele olhava à cobra parecia o deixar triste com alguma coisa. Mas, por algum motivo, Bloo conseguia sentir algo semelhante.

-A-aconteceu alguma coisa? - Questionou o garoto, que aguardava o melhor momento para iniciar o combate.

-Não, nada! Está tudo certo! - Respondeu o desconhecido, que voltava seu olhar para Bloo. -Quando quiser, pode iniciar!

-Por favor... não deixe Ralts sair machucado! - Falou Audino para seu treinador, preocupada com o pequeno pokémon.



-Ahn... t-tudo bem... Ralts, comece com seu... - Falou o treinador, pensando em algum movimento para seu pokémon. -Growl!

-Não me pareceu uma boa escolha... Ekans, Poison Sting! - Respondeu o homem, visivelmente mais calmo que seu oponente.

O combate teve início. Tanto Bloo quanto seu pokémon eram inexperientes no assunto, por mais que o primeiro tivesse conseguido realizar um combate com sua outra pokémon, mas algo estava diferente daquele momento para este. Com todo o amadorismo, Ralts acabou demorando um pouco para conseguir executar seu movimento, enquanto Ekans, que sentira em seu treinador confiança, logo executou seu Poison Sting, liberando de sua boca agulhas roxeadas que atingiam seu alvo em cheio, lhe causando um considerável dano por conta de sua fraqueza. O pequeno pokémon psíquico parecia querer desistir logo após receber o primeiro movimento, recuando um pouco, mas o olhar do treinador que batalhava contra ele parecia lhe dar determinação para continuar. Desta forma, Ralts logo abriu sua boca, liberando um ruído que causava desconforto em Ekans e, assim, reduzia seu ataque em um nível.

-Primeiro passo! Entenda as fraquezas de seu adversário! Seu pokémon é do tipo fada, portanto é fraco contra movimentos venenosos! - Alertou o rapaz a Bloo. -Vamos Ekans, use seu Leer e reduza a defesa dele!

-F-fraquezas... c-certo... - Falou Bloo, tentando entender o que seu oponente dissera. -Ralts, use... Confusion!

A batalha não só servia para o pokémon, que tanto almejava ser mais forte, apesar de estar aprendendo agora como, mas também para Bloo, que sequer sabia como comandar sua pequena criaturinha. Ao ver que ele havia feito o movimento mais correto para o momento, o estranho, agora "professor", dava um sorriso de canto de boca, mostrando satisfação, mesmo que Ralts possuísse apenas dois movimentos e um já tivesse sido utilizado, sobrando apenas o outro. Deste modo, a pequena criatura branca logo fez uso de sua força psíquica, liberando uma estranha energia de seu corpo que deixava Ekans envolto de um feixe azulado. Por ser muito novo e sem nenhum tipo de treinamento, o pokémon não aguentou muito tempo na execução desse movimento, parando após alguns poucos segundos, mas já sendo o suficiente para estragar um certo estrago. Mais do que isso, o movimento ainda conseguiu deixar Ekans confuso, de tal modo que ele nem mesmo conseguia entender o que seu treinador dizia, fazendo com que começasse a se movimentar aleatoriamente e, sem nem perceber, acabando por bater numa das poucas árvores que havia ao redor, aumentando assim o dano que recebera no turno.

-Como eu imaginava! Seu Ralts obviamente tem a capacidade, só precisa de treinamento! Vamos Ekans, siga usando seu Wrap, prenda-o em sua cauda! - Comandou o oponente de Bloo, que estava tão calmo que sequer parecia que seu pokémon estava sob efeito de confusão.

-É... e-ele tem... s-sendo assim, use outro Confusion, Ralts... - Ordenou o treinador novamente, ainda nervoso com o combate.

Ralts não havia conseguido se recuperar totalmente do movimento que lançara anteriormente. Era pequeno e mal treinado para ficar fazendo muito uso de seu poder psíquico, mas naquele momento ele sabia o porquê de fazer aquilo. Com sua determinação, novamente lançava seu movimento contra Ekans, novamente o envolvendo em seu feixe azulado, dessa vez por menos tempo, que fora o pouco que aguentava. Mas, assim que parava seu poder, observava que a cobra não mais se movia, estava parada no chão, aparentemente nocauteada pelo movimento do pokémon.



-Apesar de tudo, você ainda foi bem neste combate! - Falou o homem para Bloo, que logo retornava seu pokémon para a Poké Ball.

Ao ver que o pequeno psíquico fora o vencedor do combate, Audino corria para abraçá-lo, contente com o resultado. O treinador não conseguia entender exatamente o que ele quis dizer com "apesar de tudo", mas não perguntava nada também. Apenas achou que o combate haveria acabado cedo, o que pode ser efeito de alguma batalha que a cobra fizera anteriormente e não foi curado, mas não conseguia saber se sua teoria estava correta.

-Lembre-se de uma coisa: a batalha é você em união com o pokémon. Se você ficar nervoso, seu pokémon também ficará e, assim, a batalha vai por água abaixo! - Comentou o estranho, notando que Bloo não estava na sua melhor postura. -De qualquer maneira, a saída dessa rota é logo ali! - Continuou a falar, apontando à direção que levaria para Helgardh City. -Não está longe agora! Só tome cuidado, provavelmente não nos veremos novamente tão cedo, não poderei o proteger de algumas de suas peripécias. Mas antes... qual é o seu nome?

-Ahn... Bloo! - Respondeu o menino. -E-e o seu?

-Sou o Leonard! Prazer!

Bloo levou um choque com o nome, mas não conseguia dizer ao certo porque. Sem aperto de mãos dessa vez, ambos se afastaram aos poucos. O rapaz, que era acompanhado de Ralts, agora um pouco menos animado por conta dos eventos da última hora, e Audino, seguiam em direção da cidade mais próxima do momento, Helgardh, enquanto a jornada continua.

-Você viu isso? Eu derrotei um pokémon! - Comemorou Ralts, que não estava tão bem por conta do combate, mas ainda conseguia estar agitado.

-Você foi incrível! Parabéns! Só tome cuidado a partir de agora! - Respondeu Audino.

-Mas eu... ainda estou com medo! - Falou o psíquico.

-Medo? Do quê?

-Dele... o Florey... - Respondeu, querendo chorar novamente, mas sendo imediatamente abraçado pela pokémon normal.


[To Be Continue...]

Gust, a cobra
Gust F.
avatar
Mensagens : 292

Gust

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Jornada] Gust F.

Mensagem por Kio' em Seg Nov 26, 2018 4:26 pm


Avaliação

» Comentários: Seu texto está realmente bom, melhorou algumas coisas que eu disse sobre a narração e, aparentemente, se esforçou em escrever mais as descrições da batalha como havia citado em minha outra avaliação. Porém, senti que o texto deu uma enfraquecida no roteiro, houve uma grande história para algo simples e curto na batalha, entendi a intenção, mesmo assim não foi algo grandioso para elogiar. Não vi nenhum erro e ortografia ou gramática para se destacar, além da falta de espaço entre o travessão e a frase, como já havia comentado diretamente com você anteriormente.

» Nota: ✬✬✬

» Condições:

05/12

» Prêmios:
Ralts ganhou 900 de Experiência e subiu para o nível 7! (250/400)
Bloo recebe 150 de Exp de classe e sobe para o nível 3! (50/300)
Bloo recebe 300 de dinheiro.
Bloo recebe uma White Apricorn.
Kio'
avatar
Mensagens : 29

Kio

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Jornada] Gust F.

Mensagem por Gust F. em Sab Dez 01, 2018 8:09 pm


Local: Helgardh City
Capítulo 03
Treino
1º Evento
Nível de Classe: 02
15:30
Anteriormente
Enquanto caminhavam pela rota 6, Ralts se separou de seus dois companheiros e seguiu sozinho por um momento, até encontrar uma estranha Sunflora, a qual denominou-se Florey, que parecia ser um pokémon amigável mas não demorou até revelar seu desejo por destruir o pequeno psíquico. Gritando por desespero, Ralts atraiu o estranho treinador de antes, além de Bloo e Audino. Após resolverem o problema, o desconhecido, identificado por Leonard, e Bloo se enfrentaram num duelo pokémon.
Off's
1: Prova de Cálculo dos infernos :lia:

2: Trabalho de prog dos infernos :lia:

3: FÉRIAS :olhaela: (mais ou menos, obrigado Gouvea)

4: Vou querer participar do evento natalino, obrigado <3
Legendas
-> Bloo
-> Karl
-> Audino
-> Ralts
Um objetivo...
—Esta é Helgardh City! — Anunciou Audino para Bloo e Ralts assim que ambos colocaram o primeiro pé na cidade.

—É-é uma cidade grande... né? — Falou o treinador, enquanto olhava para os lados.

—Enorme, de fato! — Respondeu a criatura do tipo normal.

Os eventos anteriores levaram o trio finalmente à Helgardh. Os altos prédios que se espalhavam por ali deixavam Bloo, que viera de uma cidade não tão grande quanto esta, encantado com o lugar, porém ao mesmo tempo assustado. Ralts pareceu sentir as mesmas emoções de seu treinador, uma vez que nunca havia uma cidade grande, provavelmente por nunca sair da Rota 6 anteriormente. Audino parecia estar acostumada, já que ela própria disse que gostava de explorar a região por conta própria antes de ser capturada.

—Devemos... ir ao Centro... Pokémon... certo? — Indagou o garoto, com dúvidas do que fazer.

—A batalha contra Ekans deixou Ralts exausto! Temos que ir para lá! — Respondeu Audino, olhando para o pequeno pokémon psíquico que, na verdade, não parecia estar tão mal.

Assim, andando por entre os prédios da cidade, o trio seguiu rumo ao Centro Pokémon, que não fora muito difícil de achar. Lá dentro eles se depararam com a Enfermeira Cloé, sempre simpática atrás de seu balcão. Assim, Bloo não hesitou em ir até lá com seus dois pokémon, sendo bem recebidos pela responsável do local.

—Olá! Meu nome é Cloé! — Falou. ­— Sou a enfermeira local! Posso lhe ajudar em algo?

Antes de responder, o menino observou seus dois pokémon rapidamente. Audino retribuía o olhar, enquanto Ralts, que não entendia nada, apenas observava todos os cantos do prédio. Logo o treinador voltara o olhar à enfermeira.

—Queria... deixar meus pokémon aqui... — Solicitou Bloo.

—Mas é claro! Irei cuidar muito bem deles!

Assim, Audino e Ralts, que seguiam para fora de suas Poké Balls desde que foram capturados, passaram por uma portinhola que há na lateral do balcão, de modo a não precisarem serem erguidos por seu treinador, logo na sequência se encaminhando para uma sala.

—Enquanto eu cuido deles, pode esperar ali no sofá! Não irá demorar muito! — Aconselhou Cloé, apontando para os sofás do estabelecimento, vazios no momento.

Com a enfermeira indo para outro cômodo tratar dos pokémon, Bloo ficou praticamente sozinho no Poké Center, tendo como companhia apenas Margaret, a responsável pelo Poké Mart. Enquanto o garoto fazia seus vários nadas ali por alguns minutos, Karl finalmente deu seu ar da graça.

—Sua primeira cidade... olha que divertido! — Falou o amigo imaginário, parecendo entusiasmado.

—Estou longe de casa... numa cidade desconhecida... sem ter o que fazer... isso não é divertido! — Retrucou Bloo, o qual ainda parecia bem desanimado com a jornada.

—Está assim porque ainda não descobriu o que quer fazer! — Explicou o fantasminha. — Você pode enfrentar os ginásios, por exemplo!

—Pra quê? - Questionou o menino sem nenhum entusiasmo.

—Para você... se tornar um mestre pokémon, oras!

—Pra quê?

Bloo realmente não parecia animado com sua jornada pokémon, mas antes mesmo que Karl pudesse responder a pergunta do treinador, Cloé o chamou em seu balcão para que pudesse pegar as criaturas novamente. Os dois pareciam bem melhores agora, sendo que o pokémon fada estava ainda mais animado que o de costume.

—Seus pokémon já estão completamente curados! Seu Ralts é bem agitado, difícil encontrar um assim! — Falou a enfermeira, enquanto fazia carinho na cabeça do pequenino.

—É-é... ele é bem animado! — Respondeu o treinador, pegando Ralts em seu colo, o pondo no chão na sequência. — O-Obrigado... de qualquer maneira...

Assim, ao lado de seus pokémon, Bloo saíra do Pokémon Center sem ter rumo. Sentava-se no primeiro banquinho que via, pensando no que poderia fazer. Audino não parecia estar entendendo exatamente o que acontecia, enquanto Ralts sequer parecia ligar.

—Está tudo bem? — Perguntou a criatura normal.

—Eu... não sei o que fazer... — Respondeu o menino, abaixando sua cabeça logo na sequência.

—Não... sabe? Como assim não sabe?

—Não sei... não sei mesmo!

—Geralmente os treinadores já têm um objetivo antes mesmo de sair de casa... — Comentou Audino.

—Mas... eu não queria... sair em uma jornada... — Confessou o menino.

—Não... queria? Por que você saiu então? — Questionou a pokémon, curiosa.

—Meu pai foi um treinador pokémon que as pessoas admiravam muito... agora meus familiares querem que eu siga os mesmos passos...

—A gente vai ficar parado aqui mesmo? Eu quero andaaaar! — Reclamou Ralts, enquanto os dois praticamente o ignoraram.

—Bom, mas agora que você já está numa jornada, por que não aproveitar?

Bloo observou Audino com seriedade, até fazia um pouco de sentido o que ela dizia, mas ainda assim ele não sabia o que fazer exatamente, muito menos o porquê. Ralts parecia tão impaciente, que a pokémon normal, incomodada, apenas se levantou e começou a andar, enquanto Bloo os acompanhava.

—Venham, vamos para um lugar melhor! — Falou a criatura.

Assim, os três começaram a caminhar em direção a um parque que existe quase no centro de Helgardh. A caminhada não demorou muito, assim que chegaram viram que o local não parecia estar cheio, portanto seria um bom lugar para que eles pudessem fazer o que Audino pretendia.

—Eu vinha muito nesse lugar antigamente! Gostava de treinar apresentações de palco aqui! — Comentou. — Se você ainda não sabe o que quer, podemos começar com apresentações!

—O que são apresentações? — Questionou Ralts, querendo entender o que estava acontecendo.

—São movimentos que você faz com seu treinador querendo expor a beleza! Não é igual em batalhas que você quer mostrar sua força, mas ainda é muito divertido! — Respondeu Audino, cada vez mais entusiasmada. — Vamos Bloo, tente!

O rapaz não parecia entender o que estava acontecendo. Apesar de já ter visto diversas vezes apresentações pela TV, ele sequer tinha uma ideia de como iniciar os movimentos. Observava com atenção seus pokémon, enquanto Audino aguardava ansiosamente e Ralts ainda não entendia o que acontecia. Bloo pensava no que fazer, mas não conseguia imaginar nada legal. Era como se ele se sentisse incapaz de fazer o que a pokémon normal queria que ele fizesse. Com ela lhe encarando, o menino logo ficou nervoso e, cada vez menos, conseguia pensar em algo para fazer. Com o desespero tomando conta de sua mente, ele sentou-se no chão, tampando seu rosto na sequência, sendo dominado pelo total desânimo e descrença em suas capacidades.

—Eu... eu não sei fazer isso! — Falou o menino, com a sua voz trêmula.

Audino o observara com um olhar triste. Não conseguia entender o que acontecia com o menino, mas ao mesmo tempo sentiu que era de sua obrigação ficar ao seu lado neste momento. Ralts, que ainda não entendia nada, começou a vagar pelo parque, mas sem se afastar muito deles como da última vez.

—Aconteceu... aconteceu alguma coisa? - Perguntou Audino, preocupada com seu treinador.

—Eu não nasci para ser um treinador pokémon! Não tenho o dom, não tenho as habilidades, não tenho nada! — Respondeu Bloo, com seus braços por entre as pernas e com a cabeça baixa. Mesmo que não desse para ver, era notável que o menino estava chorando.

—Não fale isso! — Respondeu a pokémon rosa, indignada. — Você está iniciando sua aventura ainda, tem muito o que aprender!

—Meu pai era um dos melhores treinadores pokémon de Equestria, era referência! — Comentou o rapaz, que parecia chorar cada vez mais. — Mas diferente dele, eu não nasci com isso, ninguém sequer sabe quem eu sou, sequer sabem que sou filho dele!

Audino apenas observava seu treinador, mas não conseguia falar nada. Bloo tentava engolir o choro, mas logo mais lágrimas desabavam de seu rosto. Alguma coisa em relação a isso o afetava, bem mais do que ser simplesmente o "filho de um treinador poderoso". Mas o que poderia ser? Ao menos dois minutos se passaram com o menino chorando, quando a pokémon finalmente conseguiu falar algo.

—Você só vai conseguir ficar forte se parar de chorar e começar a treinar!

—Mas para que eu vou querer ficar forte? Jamais chegarei aos pés do que meu pai foi um dia! — Indagou novamente o treinador, ainda aos prantos.

—Você não precisa ser igual seu pai! Mas se não for por você... — Iniciou Audino, quando então voltou seu olhar para Ralts. — Pense que tem quem quer ficar forte com você!

Bloo imediatamente percebeu que ela estava se referindo à sua mais recente captura. Ele observava como o pequenino parecia estar ainda animado desde a batalha que travara contra Ekans e saiu vitorioso. Com certeza o menino não queria ser o responsável por destruir os sonhos de um pequeno pokémon ainda criança pois, tal como Leonard já falara, ele sabia que a criatura esbranquiçada tinha capacidade para se tornar muito mais forte. De alguma forma o que Audino disse lhe afetou e, no mesmo instante, ele enxugou suas lágrimas e levantou-se.

—Tudo bem... eu vou... eu vou tentar... — Falou.

—Isso! Vamos lá, não é difícil! Com o tempo você pega o jeito! — Explicou a pokémon. — Tudo o que você precisa é ser criativo! Tente primeiro comigo!

Bloo pegava sua enciclopédia eletrônica de pokémon para observar com clareza os movimentos que Audino sabia executar, porém não sabia exatamente o que cada um fazia. O rapaz rapidamente olhava para Ralts, que continuava distraído em seu canto, quando a pokémon inicial percebeu que iria precisar de sua ajuda.

—Certo... em dupla pode ser mais fácil! — Observou a pokémon rosada, que logo se dirigia até Ralts e o chamava para perto, voltando com ele em alguns segundos. — Está tudo pronto?

—S-sim... acho que sim...

—O que nós vamos fazer? — Indagou a pequena criança.

—Nós vamos treinar uma apresentação! — Respondeu Audino para o pokémon psíquico e logo na sequência olhou para seu treinador. — Não tenha medo Bloo! Ninguém está assistindo!

—C-certo... vou tentar... — Falou o rapaz, pensando no que faria por primeiro, enquanto observava, com a pokédex, os movimentos de Ralts. — Tudo bem... Audino, use o seu Misty Terrain!

Esboçando um sorriso, a pokémon normal logo fazia o que lhe era pedido. Desta forma, fechando seus olhos e erguendo seus braços, ela muda temporariamente a fisionomia do ambiente, trazendo uma névoa rosada que cobria todo o local onde estavam, mas que ao mesmo tempo era tão baixa que não dificultava a visão do treinador ou dos dois pokémon. Dessa forma, com o terreno totalmente diferente do que era, sem nenhuma outra cor além do rosa, mas que ao mesmo tempo trazia a beleza do movimento de Audino, Bloo seguia os comandos.

—Ok... agora... Ralts, use seu Double Team e... ahn... cerque Audino!

Ralts, por mais que fosse agitado, parecia estar concentrado e esperando as ordens de seu treinador. Assim que as recebera, logo seguiu como pedido e então usou seu Double Team. Por mais que tentasse, no entanto, Ralts não conseguiu criar mais que dois clones, deixando claro em seu olhar a sua decepção ao olhar o resultado de seu movimento. Mesmo assim, conseguia, de alguma forma, controlar cada um deles e, portanto, agiu como lhe foi comandado, fazendo eles cercarem a pokémon normal. O treinador observava aquilo e via que sua criatura ficara chateada com o mau desempenho do movimento dos clones.

—E-está tudo bem... com o tempo melhoraremos o Double Team... — Falou Bloo, tentando animar Ralts. — Audino, use o seu... espera... Ralts... use Confusion em Audino, tente... levantá-la no alto... Audino... use o seu... Growl enquanto gira sem parar no ar!

Era claro como o treinador estava completamente perdido naquele estilo de treinamento, uma vez que nunca o fizera antes, mas ao mesmo tempo parecia estar se divertindo aprendendo como realizar. Audino e Ralts pareciam estar igualmente entretidos, concentrando-se nas falas de seu orientador. Assim que recebera as ordens, Ralts, junto com os dois clones, logo fizeram uso de seu poder psíquico para fazer sua parceira levitar, apesar de que os pokémon falsos na verdade apenas estavam criando uma ilusão. O brilho azul que envolvia Audino se destacava em meio ao terreno rosado que fora resultado do Misty Terrain no turno anterior. Ela, enquanto estava além do chão, usava de toda sua potência vocal para emitir um ruído não muito agradável, enquanto olhava para cima com seus pequenos braços erguidos e tentava girar como lhe foi comandado, mas sem sucesso por lhe faltar coordenação motora para isto. Porém, após alguns segundos, o raio que a envolvia de repente se dissipou e ela caiu no chão, fazendo com que até mesmo o campo voltasse a seu estado original. O pokémon fada, que agora havia perdido seus dois clones, caía exausto no chão por ter usado muito seu poder psíquico, além do que aguentava. Ao reparar isso, Bloo ia correndo até o pequenino e o pegava em seu colo, preocupado com a situação dele.

—Você está bem, Ralts? — Indagou o treinador, enquanto observava-o em seus braços.

—Estou... com dor de cabeça... — Respondeu Ralts, caindo no sono logo na sequência devido ao cansaço.

Audino, que se recuperava aos poucos do tombo (por mais que não tivesse caído de uma altura muito grande), se aproximava de seu treinador e observava a situação do pequeno pokémon psíquico. Após alguns segundos, ela finalmente se pronuncia sobre isso.

—Ele é só uma criança... talvez tenha feito muito uso de seu poder psíquico no momento em que me levantou... — Raciocinou a criatura. — Ainda mais tendo que se concentrar também no Double Team... de qualquer maneira, ele vai ficar bem!

Bloo olhava para seu pokémon com tristeza, pois sabia que exigiu além da conta dele. Pelo menos sabia que, em algum momento, com muito treinamento, Ralts finalmente iria conseguir muito além de todo o seu poder psíquico do que usa atualmente.

—Acho que você estava certa... — Falou o garoto, desviando seu olhar para Audino. — Dá para ver que ele quer ser forte... talvez... se eu continuar isso por ele...

—Talvez você enfim encontre o seu real gosto por uma jornada pokémon... — Completou a pokémon normal.

—É...

Com Ralts no colo de Bloo dormindo e Audino ao seu lado, o treinador, que agora não tem muita coisa o que fazer pela cidade, resolveu voltar para o Centro Pokémon, onde passaria mais um tempo, o suficiente para que Ralts pudesse descansar e, então, seguir sua jornada pokémon.

[TO BE CONTINUE...]
Gust F.
avatar
Mensagens : 292

Gust

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Jornada] Gust F.

Mensagem por Arceus em Sab Dez 01, 2018 10:08 pm


Avaliação:
✬✬✬✬

Bom, por onde começar? Você evoluiu muito desda beta e eu to orgulhosa de você, suas historias estão evoluindo aos poucos e eu to gostando de ver. Não vou mentir apenas li rapidamente os capítulos anteriores pra ter uma base desse seu novo texto. (Sinto muito por não acompanhar, mas sei lá animo zero e vc sabe dos meus problemas) Para um treino de apresentação você até que foi bem, mas se realmente eu tivesse que avaliar daria 1 rs. Estou gostando de como seu personagem vem se desenvolvendo e das referencias que vem fazendo e eu realmente estou me identificando com o Bloo, seja por problemas do que fazer até o problema mental dele, e isso é triste, mas eu entendo. Como dizia um professor meu "a tela é o reflexo da alma do artista" só saíba que estou sempre aqui, mesmo que estejamos no mesmo buraco.
Voltando pro texto em si, não procurei erros e vc sabe que eu não me importo com isso. Já o plot desse capitulo em especifico ficou meio parado porem ao mesmo tempo interessante. Descontei uma estrela pelo plot parado e pelo mal desenvolvimento do texto, sei que era pra ser básico e o inicio de quem sabe uma jornada maravilhosa, mas você sabe como eu amo plot's elaborados.
Pra finalizar, não fique assim pela sua nota, faculdade é assim mesmo, um buraco sem fundo, a unica saída é pra cima então se erga e voe <3

Audino ganhou 1200 de Experiência e subiu para o nível 10! (400/600)
Ralts ganhou 1200 de Experiência e subiu para o nível 10! (100/600)


Audino
Triste pelo seu treinador
Nvl: 10 (400/600)
Hp: 35/35


Ralts
Dor de cabeça
Nvl: 10 (100/600)
Hp: 15/15


O(a) player recebe 200 de Exp de classe! (250/300)

Item: Leppa Berry
Presentes: 1 Vermelho / 1 Rosa / 1 Azul
Arceus
avatar
Mensagens : 617

Arceus

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Jornada] Gust F.

Mensagem por Gust F. em Dom Dez 02, 2018 11:07 pm


Local: Helgardh City
Capítulo 04
Treino/Captura
2º Evento
Nível de Classe: 03
16:10
Anteriormente
Sem saber o que fazer em sua jornada, Bloo decide tentar fazer um treino de coordenação. Tomado pelo desespero, o rapaz quase desiste, mas é aconselhado por Audino a seguir. Enquanto seguia, Ralts acabou ficando exausto por usar seus poderes além da conta.
Off's
1: FÉRIAS :olhaela: (mais ou menos, obrigado Gouvea)

2: Quando atualizar minha ficha, poderia colocar o "Normal" do movimento Double Team do Ralts entre colchetes por favor? Obrigado <3.
Legendas
-> Bloo
-> Karl
-> Audino
-> Ralts
A noite é só uma criança... que quer te matar!
O treino havia sido curto, mas o suficiente para acabar com as energias do pokémon psíquico. Com Ralts em seu colo, Bloo se dirigiu ao lado de Audino para o Centro Pokémon, não demorando muito até chegarem lá. O rapaz então não perdeu tempo até ir falar com Cloé mais uma vez naquele dia.

—É você novamente! — Proferiu a enfermeira, feliz em ver o treinador outra vez, mas logo notava Ralts. — Oh meu Deus! Está tudo bem com ele?

—S-sim... ele só usou seu poder exageradamente! — Explicou o garoto. — Ahn... eu gostaria de um quarto... precisamos descansar um pouco!

—Claro! — Respondeu a moça, pegando uma das chaves disponíveis. — Aqui está!

Bloo logo pegou a chave das mãos de Cloé e estava pronto para subir de andar quando num rápido susto ela o gritou novamente. Descendo o primeiro degrau que já havia subido, o menino volta ao balcão da enfermeira.

—Recentemente aconteceu um acidente! Aparentemente uma fábrica perdeu vários de seus presentes que iriam espalhar neste Natal. Existe alguma chance de você nos ajudar a encontrá-los? — Questionou a dama, aguardava a resposta.

—Ahn... claro! — Respondeu Bloo, que não queria negar um pedido de ajuda.

—Oh, muito obrigada! Qualquer presente que você achar poderá deixar aqui!

Após mexer a cabeça num gesto positivo, indicando que entendera o que era para ser feito, ele enfim sobe as escadas e entra em seu quarto. Deitando Ralts na cama para que pudesse dormir melhor, o rapaz logo senta-se num puff branco localizado num dos cantos. Audino, por sua vez, deitou-se com o pokémon psíquico e acabou caindo no sono junto dele. Os minutos se passavam e tudo o que o treinador fazia era folhear umas revistas que estavam numa mesa ao centro do quarto, mas aquilo não era suficiente para lhe distrair. Cuidadosamente, ele saía do quarto, fechando a porta na sequência e enfim descendo as escadas. Sozinho, ele saía do estabelecimento para vagar pela cidade.

—Que situação complexa, amigão! — Comentou Karl acerca dos últimos acontecimentos com Ralts. — Mas ele ainda vai ficar forte!

—A Audino se preocupa tanto com ele... — Respondeu Bloo, pensativo. — Eu vou tentar fazer o possível para ajudá-lo...

Seguiu sua caminhada em silêncio e, sem reparar onde pisava, acabou tropeçando em algo e caindo no chão em sequência. Ao observar
o motivo de sua queda, reparou que era um dos presentes que falou que ajudaria a encontrar.

—Que sorte! Logo aqui! — Comentou animado, enquanto levantava-se e ajeitava sua roupa, pegando o presente logo na sequência.

Com o presente em mãos, Bloo decidiu que seria melhor voltar para entregá-lo antes que mais alguma coisa acontecesse com ele. Dessa forma, dando meia volta, o rapaz novamente se dirigia ao hospital pokémon, quando o fantasma que habita a mente do rapaz logo deu as caras novamente.

—E então, o que você vai fazer em sua jornada? — Questionou Karl, ainda sobre o mesmo assunto de algumas horas atrás.

—Não tenho certeza ainda... apenas quero ver Ralts e Audino felizes! — Respondeu o treinador.

—Faz total sentido... mas lembre-se que treinar com um objetivo em mente é mais legal do que treinar só por treinar! — Aconselhou o amigo imaginário, que logo voltou às profundezas da mente de Bloo.

Não demorou muito até que ele chegasse no Centro Pokémon, sendo novamente bem recebido por Cloé. Dessa vez, dirigindo-se até o balcão dela, ele entrega o presente rosa que havia encontrado no chão. Ela parecia aliviada, mesmo que fosse apenas um.

—Você conseguiu encontrar um! Muito obrigada! Se você encontrar outros e não estiver por perto daqui, poderá deixar em algum Poké Center mais próximo! — Alertou a enfermeira.

—Ahn... tudo bem... obrigado! — Respondeu Bloo, que logo na sequência voltaria ao seu quarto.

Não se passou muito tempo desde que saiu dali, sequer 10 minutos, portanto era de se esperar que a situação dos dois pokémon era a mesma: ambos na cama dormindo. O garoto não queria acordar eles, e não sabia se queria novamente sair andando pela cidade. A cama era pequena e não cabia ele ao lado dos dois, então novamente sentou-se no puff, pegando no sono ali mesmo sem perceber. Apesar de não ser muito confortável, estava cansado demais, mesmo que não notara, por conta do ritmo de seu primeiro dia de jornada, o qual não estava tão acostumado, então era normal pegar no sono em qualquer lugar.

•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•

—Bloo?

A voz ecoava na mente do garoto, mas estava tudo escuro. Ele sentia leves cutucadas em seu braço, enquanto se negava a abrir seus olhos. Em um momento não conseguiu evitar e acabou, aos poucos, levantando suas pálpebras. A luz do quarto faziam seus olhos doerem levemente, mas logo se acostumou com a iluminação local. Ao olhar aos arredores, notava que Audino estava a sua frente e era a responsável por fazê-lo acordar, enquanto Ralts estava andando pelo quarto, querendo insistentemente sair para passear novamente. Ao levantar-se de seu puff, com dor nas costas por conta da posição que dormira por algumas horas, ele logo vai até a janela e observa que está de noite.

—Que horas são? — Perguntou o rapaz, com um tom de voz que dava para notar que ainda estava cansado.

—Desculpa... não sei ver horas... nem ler... eu sou um pokémon... — Respondeu Audino, toda simpaticona.

Após ouvir a resposta, Bloo logo pega sua mochila que estava em cima da mesa de centro, abrindo-a e pegando o seu celular que estava em um dos bolsos, que ele só lembrara naquele momento que havia trazido consigo, de modo a olhar as horas na sequência. Marcava-se 00:42 no visor, o que deixava o rapaz um pouco assustado, não sabia que tinha dormido tanto, mas ainda estava com sono e queria dormir mais. Olhava para sua pokémon como quem quisesse um bom motivo para ter sido acordado, mas ela não parecia ligar muito.

—Vocês... vocês querem ficar por aqui ainda? — Questionou Bloo para seus dois pokémon.

—Eu quero passeaaaaaaaaaaaar! — Reclamou Ralts, que tentava insistentemente abrir a porta do quarto, mas sequer alcançava o trinco.

—Ele quer passear... — Reforçou Audino.

—Mas... é de madrugada... é perigoso... — Tentou justificar Bloo, mas ao ver que não obteve resultado, cedeu à insistência de Ralts. — Tudo bem, vamos passear...

—Obaaaa! — Comemorou o pokémon fada.

Abrindo a porta de seu quarto, Bloo sai ao lado de Ralts e Audino. A recepção do Centro Pokémon estava vazia, Cloé e Margaret provavelmente já haviam terminado seu turno lá, mas a enfermeira — ou algum substituto — provavelmente voltaria em caso de emergência. Ao por o pé para fora do estabelecimento, o treinador olha para o céu, vendo que ele estava todo iluminado, admirando-o por alguns segundos. O pokémon psíquico sequer ligava para isso, enquanto a normal tentava acompanhá-lo para não perdê-lo de vista. Ao perceber que estava distraído e que fora deixado para trás, Bloo acelerou um pouco seus passos até enfim alcançar a dupla e seguir a caminhada com eles. Passando por entre as casas e prédios da cidade, Ralts notou que uma pequena criatura estava estirada no chão, aparentemente machucada. Nenhum dos outros dois havia reparado nisso e, então, o pequeno pokémon puxa um pouco a calça de Bloo, de modo que ele lhe desse atenção.

—O que foi... Ralts? — Questionou o menino, que ao olhar para baixo havia reparado na criatura ferida.

A iluminação não era muito boa, mas dava pra tirar algumas características importantes dele, como o fato de ser um pequeno cachorro de coloração preta e com a boca alaranjada. De seu dorso saiam duas "faixas" pretas que pareciam estar grudadas ali, mas na verdade era parte do próprio corpo dele. Não foi possível perceber com maior precisão outros detalhes, e nem mesmo a pokédex conseguia identificar qual era a espécie, provavelmente devido à baixa luminosidade do local.

—Parece... ferido... — Comentou o garoto, pegando o canino em seu colo. — Temos que ajudá-lo!

—Vamos levá-lo ao Centro Pokémon! — Sugeriu Audino.

Porém, antes mesmo que pudessem começar a andar, uma silhueta surge ao fundo. Tinha uma forma humana, mas a baixa iluminação impedia Bloo de ter a visão perfeita de quem era. Recuando um pouco, o rapaz parecia assustado e estava com medo do que poderia ser. Um ladrão? Um traficante? Estava de madrugada, poderia ser qualquer coisa. Ao lado do humano, um pokémon quadrúpede, um pouco menor em altura, andava ao seu lado e aparentava ter um par de chifres. A pessoa desconhecida reparou que havia companhia por perto e não hesitou em querer saber quem era.

—Seja quem for que estiver aí, revele-se agora ou será pior para você! — Falou. Era um voz feminina e que, pelo tom de voz, não estava para brincadeira. — Meu Houndoom irá atacar, estou avisando!

Com medo de acontecer algo pior, Bloo dava alguns passos para frente até que enfim conseguisse enxergar a mulher. Ela era um pouco menor que Karl, medindo algo em torno de 1.7m. Sua vestimenta era totalmente preta — ao contrário da de Bloo que era branca — e possuía longos cabelos pretos que passavam da altura das costas. Seu olhar para o treinador era de desconfiança, não entendia qual era o objetivo dele andando nas ruas de Helgardh de madrugada. Seu pokémon, que estava logo ao lado, parecia ainda mais desconfiado que ela. Seus olhos vermelhos, que por algum motivo brilhavam no escuro, assustavam Bloo e Audino, mas principalmente Ralts, que se escondera atrás da perna de seu treinador com medo do cachorrro que o intimidava.

—Quem é você? — Questionou a mulher, cuja idade não parecia passar de 25. Ela olhava o treinador dos pés à cabeça e, nessa análise do corpo inteiro do menino, ela reparou no pequeno canino que segurava. — Esse Houndour! O que você fez com ele? Responda AGORA!

A criatura que estava do lado dela ficava furioso e começava a rosnar. Bloo estava tão nervoso naquele momento que sequer conseguia pensar no que dizer e, portanto, ficava em silêncio apenas encarando a dama à sua frente. Audino, que parecia mais calma, entrava na frente de seu treinador para tentar apaziguar as coisas.

—Espera! Ele não fez nada! Apenas estávamos andando por aqui quando encontramos o Houndour ferido aqui! A gente ia levar ele para o Poké Center!

Por mais que a moça não tivesse entendido a pokémon normal, percebera que a sua criatura parou de rosnar e ficou mais calmo, o que a fez reavaliar sua atitude naquele momento. Acariciando a cabeça de seu pokémon, ela logo volta seu olhar para Bloo novamente, mas antes que pudesse falar alguma coisa, notou um feixe de luz surgindo da direção contrária a qual o rapaz olhava e aparentava ser algum ataque de pokémon, deixando-a preocupada.

—Desculpa, não poderei conversar agora! — Falou a mulher, que saía correndo para tal direção ao lado de seu pokémon.

Audino parecia preocupada e logo corria atrás dela sem dar satisfação alguma para seu treinador. Mas antes mesmo que Bloo também começasse a correr atrás de sua pokémon, um repentino feixe azul o envolveu e lhe jogou contra a parede com muita força, fazendo o cair e soltar o pequeno canino em seu colo. A pokémon normal notara os problemas que seu treinador estava tendo ali, enquanto Ralts se assustou com o repentino golpe que o afetou.

—É muito fácil enganar essa líder idiota! — Falou uma voz masculina grossa, cujo dono lentamente se aproximava ao lado de alguma criatura voadora. — O que ela tem de força, não tem de inteligência!

Bloo não conseguia entender o que estava acontecendo, estava jogado no chão por conta do movimento que lhe afetara e apenas conseguia pensar em proteger o Houndour. Tentava se arrastar lentamente na direção do cachorro para lhe abraçar novamente, mesmo com toda dor que estava sentindo devido ao forte impacto, mas antes que conseguisse alcançá-lo o homem pisou em sua mão, o fazendo parar totalmente.

—Nem ouse mexer com esse Houndour! Ele será meu! Provavelmente irá render uma boa grana! — Continuou, enquanto gargalhava.

—Pare com isso agora, ou eu... eu... — Iniciou Audino.

—Ou nós iremos atacar! — Completou Ralts, que trocara seu medo pela determinação de salvar seu treinador.

O homem não entendia o que eles diziam exatamente, mas percebia que eles estavam irritados pela sua atitude para com seu mestre. Rindo ainda mais, ele logo tirava seu pé de cima da mão do garoto e liberava um segundo pokémon, que fazia dupla com o que voava e fora responsável pelo movimento em Bloo. Aparentava ser um tipo de ninja, mas não dava para se ter muito detalhes por conta da escuridão que tomava conta daquela parte da cidade.

—Ralts, Audino, cuidado! — Falou Bloo, cuja voz quase não saía por conta da dor que sentia.

—Ah, dai-me um tempo! Não adianta ter cuidado agora, irei destroçar os dois e levar esse Houndour! Quem sabe não levo esses dois juntos? Eles vão valer muito! Hahahahahaha. Dustox, ataque com seu Gust! Accelgor, faça uso de seu Quick Attack! Destroce essas duas criaturas miseráveis! — Comandou o homem estranho.

Sem ter comandos vindos de seu treinador, os dois pokémon de Bloo ficavam perdidos no começo,  e antes mesmo que pudessem pensar em algo, Accelgor fizera uso de sua alta velocidade e disferiu contra o pequeno pokémon branco um Quick Attack, que lhe causava um bom dano. Logo na sequência, ainda sem saber o que fazer, Ralts tentou usar seu Double Team, criando agora três clones idênticos a si que se espalhavam pelo que agora era a arena de combate. Audino, enquanto isso, atacara o inseto voador diretamente ao uso de seu Pound, usando suas mãos para dar alguns tapas contra ele, mas não parecia ter surtido muito efeito. Dustox, o inseto voador, ouvindo as ordens de seu treinador, começou a bater suas asas rapidamente de modo a criar uma ventania que atingia Audino no momento em que ela estava terminando seu movimento, causando um dano considerável nela.

—É com isso que vocês pretendem salvar o frango do seu treinador? — Gargalhava o esquisito. — Vão precisar de muito mais que isso! Dustox, ataque Audino com seu Confusion! Accelgor, ensine ao Ralts como se usa um Double Team decente!

Assim que ouvira as palavras de seu oponente, Ralts se chateara, pois se sentiu incapaz de conseguir realizar um bom movimento, mas Audino logo lhe encarava com um olhar que o fez se sentir apoiado naquele combate. Assim ela, para mostrar que estava ali pelo pequenino, fizera uso de seu Helping Hand. Accelgor, na sequência, fez uso de seu Double Team, criando diversos clones que se espalhavam pelo local e confundiam os pokémon de Bloo. Se sentindo agora animado pelo apoio recebido pela pokémon rosada, e determinado a ajudar seu treinador, Ralts fizera uso de seu poder psiquico ao uso de Confusion, envolvendo Dustox num feixe azul e lhe jogando contra a parede, da mesma forma que fora feita com seu treinador. O pequeno conseguiu usar seu movimento como nunca antes, dando um alto dano contra a mariposa venenosa, que caía no chão por alguns segundos, mas logo voltava a voar, atacando Audino também com um Confusion, mas seu movimento não pareceu ser tão potente quanto o que recebera, por mais que tivesse dado um dano razoável nela.

—Dustox, deixe de ser fraco! Use o seu Gust mais uma vez! Accelgor, utilize o seu Acid Spray contra Ralts! — Orientou o homem, que pareceu ter ficado furioso com o dano que a mariposa levara no turno anterior.

—Audino... Ralts... vocês conseguem... — Falou Bloo, que ainda parecia meio atordoado com o golpe que levara e não conseguiu se levantar até então, mas conseguiu se mover o suficiente para se abraçar no cachorro preto.

A determinação dos dois pokémon parecia aumentar ao ver que seu treinador dependia deles. Dessa forma, a pokémon normal logo fez uso de seu Pound contra a mariposa novamente. Por conta do dano recebido no último turno, ela não precisou realizar o movimento com muita força, sendo necessário apenas um leve tapa para fazer a oponente desmaiar no chão, inconsciente. Sozinho, Accelgor precisaria agora lidar contra dois pokémon. Aproveitando que a dupla de Ralts estava longe, ele logo fez o que lhe fora solicitado, usando seu Acid Spray contra o pequeno pokémon fada, acertando-o em cheio, mesmo com os clones, levando assim um grandioso dano por conta de sua fraqueza a movimentos venenosos, porém ainda não sendo o suficiente para desmaiá-lo. Com vários clones do inseto ninja ao seu redor, Ralts acabou se desesperando, não sabendo qual deles era o verdadeiro e, portanto, atacar. Assim, ele apenas fechou seus olhos e, concentrando seu poder psíquico, mirou no primeiro alvo que viu ao levantar suas pálpebras novamente. Para o azar do pequenino, era apenas um clone.

—Hahaha... esse Dustox é muito fraco mesmo, assim como vocês dois, mas jamais irão derrotar meu ninja das sombras! Accelgor, outro Double Team!

—Precisamos dar um jeito nesses clones... — Pensou Audino em voz alta, atraindo a atenção de seu parceiro.

Assim que recebeu novas ordens, Accelgor agiu, criando ainda mais clones que se espalhavam pelo campo de batalha e assustavam a pokémon rosada, que agora não tinha mesmo noção nenhuma de qual era o inseto verdadeiro, olhando para todos os lados para tentar identificar algo que o distinguisse de suas várias cópias, mas em vão, eram todos idênticos. Sem ter o que fazer, ela passou a bola da vez para Ralts, mais uma vez mostrando seu apoio com o uso de Helping Hand, encostando suas mãos nas do pokémon psíquico. Porém, isso não o ajudou muito. Ao ver as várias cópias de seu oponente, o pequenino se assustava e, diante de todo o seu medo, ele mais uma vez fechava seus olhos. Lembrava-se do apoio que havia recebido de Audino e o motivo pelo qual estava fazendo o combate e dessa vez, ao invés de escolher um alvo entre os vários Accelgors possíveis, ele apenas abriu sua boca e, dela, liberou uma linda melodia, juntamente com alguns corações que se espalhavam pelo campo de batalha conforme o tom de sua voz. Nisso, todos os clones do pokémon inseto simplesmente se esvaíram em segundos, além do verdadeiro ter levado um bom dano.

—MAS O QUÊ? — Indagou o homem, surpreso com o que havia ocorrido.

—Esse movimento... é um Disarming Voice! — Confirmou Audino, encantada com o movimento realizado.

—Grrr... Accelgor, use o seu Water Shuriken contra esse Ralts!

Ao ver que o pequeno pokémon branco era o alvo da vez, Audino se colocou em sua frente no momento exato que o inseto liberou seu movimento aquático para que ela recebesse dano, uma forma de protegê-lo do perigo, sendo acertada pelas estrelas ninjas de água por um total de 4 vezes. Com a distração do oponente, que agora não conseguia mais mudar o alvo, Ralts logo saíra de trás de sua companheira e lentamente se aproximava de Accelgor. Após a quarta vez que o ninja atacara ela, Ralts fez usou de seu Confusion, envolvendo o alvo no feixe azul e o jogando no chão. Movido pela raiva dele, o movimento psíquico teve um poderoso efeito contra o inseto que, além de levar um grande dano, ainda ficou confuso. Audino, que já estava ferida, apenas aproveitou o momento para atacar Accelgor com seu Pound, dando um tapa forte contra ele, deixando-o ainda mais ferido e pronto para desmaiar a qualquer instante.

—JÁ CHEGA! Vocês são tão insuportáveis quanto aquele cachorro imundo! Vou dar um fim em vocês agora eu mesmo! — Ameaçou o homem, que sequer esperou seu Accelgor ser derrotado para retorná-lo para sua esfera bicolor e então avançar na direção dos pokémon de Bloo.

—Houndoom, Flamethrower! — Falou a mesma voz feminina de antes, que voltara bem a tempo.

O cachorro dela logo correu para frente das criaturas do rapaz ferido e usou seu Flamethrower como uma forma de alertar o homem que as coisas piorariam se ele se aproximasse mais, mas sem atacá-lo. O desconhecido parecia ter ficado extremamente revoltado com a volta dela e de seu pokémon, tanto que sem falar nada apenas deu meia volta e foi embora. Preocupada com o que havia acontecido, a dama corre até Bloo, que continuava abraçado em Houndour, mas parecia estar inconsciente.

•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•

—Moço? — Falou a voz de antes, que ecoava no ouvido de Bloo.

Ele logo abria os olhos lentamente, tentando reconhecer o local onde estava, mas sem sucesso. Notava que estava deitado numa cama de solteiro e, logo a seu lado, o cachorro que estava tentando proteger. À sua frente a moça de antes, que parecia estar preocupada com sua situação.

—Ufa, acordou! Está melhor?

—Ahn... um pouco de dor de cabeça... — Respondeu o garoto, que mal conseguia se mexer por conta das dores que sentia pelo corpo inteiro.

—Eu sei que ainda está um pouco mal mas... consegue se lembrar o que aconteceu? — Questionou a mulher.

—Eu estava... tentando ajudar esse pokémon... — Começou Bloo, que logo olhava para o canino ao seu lado. — E de repente alguma coisa tomou conta de mim e me jogou contra a parede... a pancada foi forte... mas agora só minha cabeça dói...

—Maldito... — Pensou a garota em voz alta sobre o estranho homem. — De qualquer maneira... durma mais um pouco... conversamos mais quando amanhecer. Seus pokémon estão seguros na sala de estar!

A moça logo apagara a luz do quarto para facilitar o sono dele. O rapaz tentou mover seu braço um pouco e, apesar de conseguir, foi com muito sofrimento. Envolvia lentamente o cachorro, que ainda dormia, em seus braços. Por algum motivo, defendê-lo dos perigos daquele desconhecido o fez criar um certo afeto pelo pokémon aparentemente selvagem, mesmo que a criatura estivesse desacordada na maioria do tempo em que tudo aconteceu. Fechando seus olhos, Bloo novamente cai no sono.

•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•

—Ei você, acorde! — Falou uma estranha voz, a qual o garoto nunca ouvira antes.

—Ahn... quê...? — Respondeu o garoto, confuso.

De repente algo bem molhado passava pela cara de Bloo. Pela textura parecia ser uma língua, o que o deixou bem assustado. Abrindo os olhos repentinamente, se deparava com a criatura que tentara ajudar na madrugada em cima dele. O pokémon parecia estar mais animado e menos ferido que antes, diferente do rapaz que ainda sentia algumas dores pelo corpo.

—Você é o humano que me salvou ontem! Eu te amo muito! — Afirmou a criatura, que novamente dava uma lambida no rapaz.

—Não fiz... mais que minha obrigação... — Respondeu Bloo.

—Uau, você entendeu o que eu disse? Que maneiro! Tenho um mestre que me entende! — Comemorou o pokémon, enquanto abanava seu pequeno rabinho de um lado para o outro com um sorriso enorme em sua cara.

—Um... mestre? — Questionou o rapaz, confuso com a afirmação do pequeno pokémon cachorro.

—Você não quer ser meu mestre né? — Perguntou a criatura, que ficava triste e para baixo de repente.

—Não... não é isso... é só que... eu nem mesmo te capturei ainda... eu nem sei quem você é... — Tentou argumentar o treinador.

Ao ouvir isso, o cachorro descia da cama em que estava e se dirigia até a do rapaz, pegando o aparelho rúbrico que nela estava e logo dava na mão de Bloo. Sabendo o que era pra ser feito, o rapaz logo a ativou para ler as informações do pokémon em questão.

Pokédex:


[Dark][Fire]

Houndour, o pokémon sombrio. Ele é inteligente o suficiente para caçar em grupos. Usa uma variedade de gritos para se comunicar com outros.

—Pronto, agora você já me conhece!

—Mas por que você quer tanto vir comigo? — Questionou o menino, confuso com as atitudes do pequeno Houndour.

—Oras... se não fosse por você eu não sei e nem como estaria agora ué! — Respondeu. — Eu prometo que vou ser um bom menino.

Na sequência, o pequeno cachorro mais uma vez desce da cama e vai até a bolsa de Bloo, dessa vez pegando uma de suas esferas bicolor, levando até o menino em sua cama.

—Ó, eu afé fefei uma foféfola fa fofê me cafifufar! — Falou, largando a Poké Ball toda babada na cama em que o rapaz estava deitado.

—Você será realmente um bom menino! — Confirmou Bloo, acariciando o até então selvagem como conseguia. — Está com fome? Eu peguei um docinho antes de sair de casa... chamam ele de Rare Candy, veja se não encontra.

O pokémon noturno então desce pela terceira vez da cama a fim de novamente explorar a mochila do rapaz. Neste momento, Audino abre lentamente a porta para ver a situação de seu treinador, enquanto se aproximava da cama dele e observava a bagunça que estava sendo feita pela criatura de fogo.

—Você está melhor, Bloo? — Questionou Audino.

—Com dor no meu corpo... porém bem... eu acho... — Respondeu o rapaz.

—Mestre, não achei nenhum doce, mas achei essa frutinha aqui! — Afirmou o pokémon, que logo comia a Leppa Berry que estava lá em segundos. — Estava bom! Mas ainda estou com fome!

Houndour logo voltou a fuçar a bolsa de Bloo em busca de mais alimento, enquanto o menino parecia confuso com o que ele havia dito. Por não conseguir se levantar, não iria conseguir averiguar onde estava o tal doce de embalagem azul, ele apenas ficou na dúvida do que realmente aconteceu, dúvida essa que na verdade não demorou muito para ser sanada.

—Mas... eu tinha certeza... eu peguei a Rare Candy...

—Ahn... está falando daquele docinho de pacote azul que estava na sua mochila? — Indagou Audino, enquanto batia seus dedinhos indicadores uns nos outros como se estivesse com vergonha. — Então... ontem enquanto você dormia no Poké Center... o Ralts meio que achou ele e comeu...

—Ele comeu... o Rare Candy? — Indagou o menino, que parecia estar confuso, mas logo caiu na real. — Hum... surtiu algum efeito nele? — Perguntou novamente, curioso com os efeitos colaterais do doce.

—Hum... — Pensou a pokémon rosada, sem conseguir lembrar exatamente alguma coisa, mas de repente lhe veio na cabeça um bom momento. — Ah! Na batalha de ontem ele usou Disarming Voice! Foi muito legal de ver!

—Disarming Voice... que legal... — Pensou Bloo em voz alta, orgulhoso de seu pequeno pokémon psíquico.

—Ei mestre, não achei mais comida! E você ainda não me capturou! — Comentou Houndour, que novamente subia na cama, aguardando ansiosamente a captura.

Lembrando-se disso, o treinador logo pega a Poké Ball babada que havia sido deixada do seu lado e, tomando muito cuidado para não tocar na saliva do pokémon de fogo, ele logo toca a esfera levemente na cabeça dele, e sem muito drama conseguira realizar a captura com sucesso. Com isso, novamente o liberou para fora.

—Ooba! Vamos ser fortes juntos! — Comemorou o canino, lambendo outra vez a cara de Bloo.

—Ei, moço, podemos conversar? — Questionou a mulher, que havia entrado repentinamente no quarto em que ele estava acomodado sem que fosse perceptível.

—Ahn... claro... — Respondeu o menino.

—Vou estar lhe esperando no cômodo ao lado!

Assim, ela sai do quarto, aguardando Bloo. Com três pokémon em seu time agora, o rapaz se tornava cada vez mais forte, juntamente com aqueles que treinava. Sua jornada pokémon havia de continuar, bem como alguns mistérios que a rodeiam ser revelados.

[TO BE CONTINUE...]
Gust F.
avatar
Mensagens : 292

Gust

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Jornada] Gust F.

Mensagem por Arceus em Seg Dez 03, 2018 12:21 am


Avaliação:

Primeiramente queime essa criança do inferno, puta bixu chato. Agora o doguinho mantenha ele sempre do seu lado, já amo mais que o Leo *-* Novamente vejo que esta evoluindo aos poucos e estou gostando da sua jornada, mas tenha cuidado com alguns fatos. Eu já estava querendo te xingar por conta do Disarming Voice e só depois vc explicou o Rare Candy isso confunde e não é legal pq eu poderia muito bem ter parado de ler no golpe e já ter tacado 3 estrelas pra você. Cuidado, principalmente que sou eu quem esta avaliando.... Suas batalhas estão melhorando e suas descrições estão ficando ótimas assim como cada detalhe na jornada, a forma como ainda persistiu em proteger o Pokémon mesmo durante a batalha, ou seja, você não esqueceu do ambiente envolta da "arena". Eu só não entendi como Houndour ficou sabendo sobre o que aconteceu durante a noite, isso ficou meio que em branco, porem, não irei descontar NADA, você merece cinco estrelas e o RH do meu cérebro não ira mudar essa ideia.

Audino ganhou 1500 de Experiência e subiu para o nível 12! (600/800)
Ralts ganhou 1500 de Experiência e subiu para o nível 13! (100/900)


Audino
Mais tranquila por seu Treinador
Nvl: 12 (600/800)
Hp: 41/41


Ralts
Confiante
Nvl: 13 (100/900)
Hp: 18/18


Houndour
Bobo, Alegre por ter um "Mestre"
Nvl: 10 (000/600)
Hp: 15/15


O(a) player recebe 250 de Exp de classe e sobe para o nível 4! (200/400)

Item: Pecha Berry
Perdeu: 1 Leppa Berry por ter dado a Houndour // 1 Pokeball com a captura // 1 Rare Candy // 1 Presente rosa entregue no CP
Recebeu 1000$
Presentes: 1 Verde / 2 Rosa
Arceus
avatar
Mensagens : 617

Arceus

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Jornada] Gust F.

Mensagem por Gust F. em Sex Dez 07, 2018 4:09 am


Local: Helgardh City
Capítulo 05
Treino
3º Evento
Nível de Classe: 04
9:25 — Dia 2
Anteriormente
Indo passear de madrugada, Bloo acabou se encontrando um pokémon ferido no meio do caminho. De modo a tentar ajudá-lo, ele atraiu a atenção de um estranho homem que o machucou forte ao uso de um estranho movimento que jogara Bloo contra a parede. Após Audino e Ralts vencê-lo em uma batalha, graças a um movimento novo que Ralts aprendera durante o combate, o Disarming Voice, Bloo acabou desmaiando e sendo socorrido por uma estranha dama que havia encontrado momentos antes do ocorrido. Quando acordou, em um lugar desconhecido, percebera que o pokémon que tentou ajudar, um Houndour, agora estava melhor e queria ser capturado pelo garoto, que não hesitou em concluir a captura. Um pouco após isso, ele fora chamado por aquela que lhe ajudara para uma conversa...
Off's
1: FÉRIAS :olhaela: (mais ou menos, obrigado Gouvea)

2: Deixem meu Ralts em paz :lia:

3: :lia:

4: Bônus de Exp vindo das missões do fórum: bota tutu na conta do meu filhotinho de Cérberus, vulgo Houndour. 1000 de Exp a mais :amei:
Legendas
→ Bloo
→ Karl
→ Audino
→ Ralts
→ Houndour
→ Anneth
O desejo pela descoberta
Com dificuldade por conta das dores que sentia em seu corpo, Bloo levantava-se lentamente de sua cama, dirigindo-se ao cômodo logo ao lado, uma sala de estar. Com uma mesa de centro e dois sofás pretos, o rapaz observou que a dama que lhe ajudara estava sentada em um deles. Um pouco envergonhado, ele logo sentou-se no outro sofá enquanto Houndour, que lhe acompanhara, deitou-se em seu colo e ficou pedindo por carinho.

—Primeiramente... desculpa os maus modos, eu sequer me apresentei... meu nome é Anneth... — Iniciou a mulher.

Bloo olhava confuso para ela. Muitas dúvidas sobre o que havia acontecido, mas poucas respostas ainda. Observava aos arredores da sala de estar enquanto acariciava seu cachorro de fogo. Sacando qual era a dúvida mais crucial dele, a moça logo continua.

—Você está na casa de minha mãe... era o único lugar que eu podia lhe trazer depois de tudo o que ocorreu de madrugada. — Prosseguiu, mas vendo que a feição do rapaz não havia mudado ainda, continuando confuso. — O homem que te atacou ontem se chama Henry Neumann, ele é um foragido da polícia por tráfico de pokémon.

—Tráfico... de pokémon...? — Indagou Bloo, surpreso com a informação.

—Sim, pessoas que sequestram pokémon, geralmente selvagens, para vendê-los por altíssimos preços. — Explicou Anneth.

—Selvagens? Por que não só os captura?

—As pessoas que precisam desses pokémon preferem que eles não sejam ligados a Poké Balls... é muito mais fácil lidar com eles dessa forma... de qualquer maneira, por mais que saibam quem ele é, nunca conseguiram o capturar, ele é muito esperto para cair em qualquer tipo de armadilha...

—Acho... que entendi...

—Ontem, vendo ele enfrentar seus pokémon, eu estava totalmente despreparada e sequer tive a chance de tentar prendê-lo, então me foquei em te ajudar. Lhe trouxe para cá junto de Houndour, com a ajuda de seu Ralts e sua Audino... — Continuou a mulher, que rapidamente olhava às criaturas citadas por último. — Aqui, curei Houndour, Audino e Ralts com um kit de primeiros socorros pokémon que eu tenho guardado para emergências como esta.

Bloo terminava de ouvir a história em silêncio enquanto passava sua mão na cabeça do pequeno cachorro, que parecia gostar do carinho que recebia de seu novo treinador. Anneth pensava se havia esquecido de alguma coisa, mas logo percebia que havia falado tudo o que precisava dizer naquele momento. O rapaz a observava, não sabia exatamente o que dizer, enquanto ela, por sua vez, parecia ter muitas dúvidas sobre o rapaz, não hesitando em querer conhecê-lo melhor.

—Você parece ser um garoto de poucas palavras... me conte um pouco mais de você...

—Ahn... meu nome é Bloo... eu vim de Ahlem City... — Comentou o rapaz, sem ter muita ideia do que ela queria saber.

—Bloo... é um nome legal... me diga Bloo, você tem pretensão de desafiar o ginásio de Helgardh? — Questionou a mulher.

—Acho... que sim... não tenho certeza ainda...

—Talvez você não saiba, mas eu sou a líder do ginásio e me foco em treinar pokémon do tipo Dark!

O menino olhava para ela com surpresa. Não fazia ideia de que ela tinha um título importante daqueles. Começava a fazer sentido para ele, naquele momento, andar com um Houndoom, mesmo que estranhasse o fato de ser de madrugada.

—Você... parece confuso quanto ao que quer... — Comentou Anneth, que conseguia ler Bloo tão bem que parecia que já o conhecia há anos.

—É... na verdade eu nem queria sair em jornada...

A líder olhava para Bloo com seriedade. No cargo que ocupa, certamente já teve outros casos semelhantes ao do rapaz, então provavelmente saberia como lidar com isso. Após alguns segundos, observara os três pokémon dele que pareciam estar distraídos, cada um com algo diferente. Novamente ela voltava a mirar para os olhos do rapaz.

—Entendo... Bem, deu para perceber que, mesmo você não querendo isso no começo, conseguiu fazer ótimos amigos... — iniciou. — Eles te defenderam ontem, lutaram por você... nenhum pokémon faria isso se não sentisse confiança em seu treinador!

—C-como... como assim? — Indagou o rapaz, sem saber onde Anneth queria chegar.

—Há quanto tempo você saiu em sua jornada? — Questionou a dama.

—C-comecei ontem de tarde....

—Olha, o que eu quero dizer é que... não importa mais o que você queria antes de sair para sua jornada. Veja só, você não passou sequer 24 horas em aventura e já salvou um Houndour! É questão de tempo agora até você pegar gosto pela coisa, você irá perceber!

Bloo a observava enquanto pensava nos eventos que já passaram. As últimas horas do rapaz foram as mais agitadas de toda sua vida e sequer pareciam ter sido pouco tempo. A captura de Houndour, sobretudo, foi a que mais mexera consigo, mesmo que tentava não demonstrar isso por conta de sua personalidade, mas ele mesmo se tocara, depois da fala da líder, que havia criado um vínculo com o cachorro em tão pouco tempo, de tal forma que nenhuma outra criatura no planeta havia conseguido anteriormente, senão seu amigo imaginário.

—Você irá, com o tempo, perceber que... — Iniciou a líder, quando foi repentinamente interrompida pelo garoto.

—Não vai demorar muito tempo até eu descobrir o que quero fazer... — Completou o rapaz. — E que fazer uma jornada sem um objetivo é mais chato...

—Você já entendeu! — Exclamou a dama, que esboçava um sorriso em seu rosto por ter sido compreendida e rapidamente se levantava do sofá. —Deixarei você e seus pokémon sozinhos por um momento, mas estarei no jardim se precisar de mim!

Assim, ficando sozinho no cômodo, Bloo notara que seu pequeno cachorro havia dormido em seu colo, o que o fez colocar logo ao seu lado no sofá. Estava definitivamente sozinho ali, uma vez que Audino e Ralts estavam na cozinha aprontando alguma coisa.

—Karl? — Chamou o rapaz por seu amigo imaginário, que logo invadia sua mente.

—Presente!

—Ela... ela está certa, não é?

—Sobre o quê?

—Sobre mim... eu realmente estou começando a gostar disso né? — Questionou Bloo, confuso quanto a seus sentimentos.

—Amigão... isso só quem pode dizer é você e sua consciência... — Respondeu Karl.

—Mas você É minha consciência! Ou ao menos faz parte dela! — Retrucou.

—Não é bem assim, você sabe...

—É... às vezes eu esqueço disso, você sabe... desde que tudo aconteceu, parece que você sempre fez parte de mim...

—Tal como vai se esquecer que um dia você não quis partir em jornada... você está se divertindo, e sabe disso!

—Talvez você tenha razão, mas... o que eu vou fazer?

—Oras, você está na casa de uma líder de ginásio! Sabe perfeitamente o que fazer!

Bloo ficava pensativo e não falava mais nada. Sabia que, desde o momento que ouvira Audino falar pela primeira vez, as coisas seriam totalmente diferentes do que imaginava. Seguindo uma linha de raciocínio, ele finalmente chegou a uma conclusão importante: por que continuar pensando no que fazer ao invés de tentar fazê-las? Tantas vezes pensou demais em determinadas oportunidades que não as fez por imaginar algo que seria totalmente contra o que queria, mas nunca nem tentou.

—É isso! — Exclamou o rapaz, que finalmente havia decidido o que queria fazer.

Tentava se levantar do sofá lentamente para sofrer o menor possível com as dores que ainda se espalhavam em seu corpo e, na sequência, dava leves cutucadas em seu pokémon canino, que acordava aos poucos, bocejando assim que abria os olhos. Olhava para o alto e via que era Bloo que havia o acordado, ficando animado instantaneamente.

—MESTRE! O que nós vamos fazer? Vamos brincar? Brincar de pegar varetas? Eu amo pegar varetas! — Falava o cachorro, tão rapidamente que o garoto quase não entendia.

—Calma, calma... — Respondeu o rapaz, que levava um de seus braços à cabeça e esboçava um pequeno sorriso em seu rosto. —Eu queria...

—Já sei! Brincar de bola! Eu adoro brincar de bola! — Interrompeu, vendo na sequência que não havia nenhuma bola em suas mãos. — Espera, cadê a bola?

—Eu queria que você me ajudasse em uma batalha! — Pediu o garoto.

—Batalha? Que brincadeira é essa? Parece ser divertida! Eu quero brincar de batalha! — Animou-se o cachorro.  — Espera, como se brinca disso?

—Daqui a pouco você descobre! Chama Ralts e Audino por favor e falem para me encontrar no jardim! — Solicitou o garoto, que dava mais um pouco de carinho na cabeça do canino antes de começar a andar em direção à porta que o levaria para a área externa da casa.

Tocando na maçaneta, o rapaz logo a girou e, assim, abriu a porta que o levara para o quintal da casa da mãe líder de ginásio — que aparentemente não estava no local no momento. Ali, encontrou Anneth sentada em uma cadeira de balanço juntamente de um pokémon diferente do que estava ao lado dela na noite anterior. Este, mesmo sendo também um canino, tinha a fisionomia um pouco diferente: Era bípede, seu corpo preto com alguns detalhes em vermelho lhe davam uma aparência mais assustadora que o cachorro de fogo. Sua longa juba ia até a alturas de suas patas e seus olhos azuis encaravam Bloo com uma certa desconfiança, até que ele enfim reparou na sua treinadora e percebera que estava tudo bem. O rapaz, curioso em saber que pokémon era aquele, logo fizera uso de sua Pokédex, obtendo detalhes pertinentes.

Pokédex:


[Dark]

Zoroark, o pokémon raposa ilusionista, é a forma evoluída de Zorua. Ele não apenas se transforma — também tem o poder para fazer milhares de pessoas verem suas ilusões.

—Você pode me chamar de velha, mas eu realmente adoro essas cadeiras de balanço, são muito confortáveis! — Brincou Anneth, que logo se levantava para se aproximar do rapaz. — De qualquer maneira, eu sabia que viria me encontrar!

—Ahn... sabia? - Indagou Bloo, confuso.

—Eu imaginava que você tinha uma decisão em mente, apenas não queria acreditar... agora resta a você saber se quer mesmo isso! — Exclamou a líder. — Infelizmente o que você deseja só poderá ser realizado no ginásio!

Neste momento, Houndour adentrou ao jardim juntamente de seus dois pokémon. Bloo observava eles com um sorriso em seu rosto, voltando mais uma vez a olhar para a líder do ginásio, que já sabia exatamente o que ele queria.

—Pois bem, venha comigo, levarei vocês até lá!

Anneth saía de sua casa acompanhada do treinador e seus três pokémon. O ginásio não era muito longe de sua casa, precisando andar apenas uns 10 minutos para enfim chegar lá. O local era meio afastado da cidade e lembrava muito um castelo às ruínas. A temática logo no lado externo já era algo que assustava um pouco o treinador e seus pokémon — exceto Houndour, que parecia tão animado quanto a hora que fora chamado para "brincar de batalha". Anneth entrou por primeiro no lugar, enquanto o rapaz e seus pokémon ficaram de fora por alguns instantes.

—Bloo... você tem certeza que quer entrar? — Indagou Audino, que não parecia tão feliz.

—Esse lugar tá me dando medo... — Comentou Ralts, que parecia querer chorar.

—Vamos mestre, vamos! Vai ser divertido!

—Apenas assim conseguirei descobrir o que realmente quero...

Assim, esperando mais um pouco enquanto olhava mais uma vez a estrutura do local, o rapaz respira fundo e abre as portas do ginásio, encontrando logo de cara uma enorme escadaria que o levaria em direção da líder. Quanto mais descia, mais o lugar ia ficando escuro, sendo iluminado apenas por algumas tochas que ficavam aos lados. Após uns 2 minutos andando pelos degraus, o rapaz finalmente chegou ao fim da escada, observando apenas três portas à sua frente. Audino parecia estar cada vez mais amedrontada com o local, igualmente a Ralts.

—Bloo, vamos sair daqui enquanto temos tempo! Esse lugar é horripilante!

—É... mandaram bem na decoração... vamos seguir em frente! — Contrariou o treinador.

Bloo parecia determinado a enfrentar a líder do ginásio como nunca antes. Abria a porta do meio que possuía a indicação da arena e, antes de entrar, reparou na presença de um jovem rapaz ali, um pouco mais velho que ele.

—Tome cuidado, você irá passar por um labirinto! Pegue esta lanterna, será muito útil para você! — Falou o desconhecido, que entregava nas mãos do rapaz uma lanterna não muito grande.

•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•

Dava seu primeiro para dentro do que chamam de "obstáculo". Estava tudo muito escuro, não era possível enxergar aos arredores direito. Ralts começou imediatamente a chorar com medo, sendo segurado por seu treinador no colo, que o balançava de modo a lhe acalmar. Já Houndour parecia ser o mais animado entre os 3, tomando a dianteira do grupo e até incentivando eles a continuarem.

—Vamos gente! Vamos vamos vamos! Deve ter um osso no fim disso tudo! — Falou o pokémon noturno, que parecia totalmente animado.

Bloo logo acendia a lanterna que estava em sua outra mão para iluminar o local o máximo que conseguia. Não ajudava muito, mas era o que ele tinha. Logo após dar alguns passos, via uma bifurcação à sua frente, a primeira do labirinto. Sem pensar muito nas consequências, escolheu partir pela direita, na esperança de estar indo pelo caminho certo. Não conseguia imaginar o que iria encontrar pelo caminho, até porque em sua cabeça apenas ecoava o choro de Ralts, que estava cada vez mais amedrontado. O pequeno Houndour continuava liderando o grupo quando, no susto, se deparou com uma criatura à sua frente. Ele parecia tão irritado que intimidava o cão de fogo.

—Mestre... ele não parece querer brincar! — Comentou, recuando um pouco e, na sequência, correndo para o lado oposto.

Bloo se assustava com o susto de seu pokémon e corria junto dele, enquanto Audino, que parecia ser a mais corajosa, ficou ali para confrontar a criatura, usando seu Baby-Doll Eyes de modo a distraí-lo um pouco. Vendo que a criatura estranha não estava feliz e iria atacá-la, a pokémon normal logo o atacou com seu Pound para distraí-lo por alguns segundos, correndo para em direção a seu treinador de modo a fugir da estranha espécie que se assemelhava muito a uma hiena. O rapaz parecia confuso e sem entender o que estava acontecendo, mas sobretudo Ralts parecia totalmente assustado com a situação. Envolvido nos braços de Bloo, a criança, no pavor, fizera uso de seu poder psíquico de um jeito diferente. Do nada, todo o quarteto estava em um outro canto do labirinto. O menino se assustava com isso, pois fora muito repentino, sendo que para conseguir parar de correr, acabou caindo no chão.

—O que foi isso?

—Ele usou... Teleport... — Explicou Audino, igualmente confusa.

—Ei mestre, olhe, achei um osso! — Comemorou o pokémon noturno, que havia encontrado o osso de alguma coisa naquele lugar. Isso foi, no mínimo, aleatório.

—De qualquer maneira... temos que continuar andando...

Porém, por pura sorte e coincidência — talvez nem tanto — o rapaz deu mais alguns passos à direita até enfim encontrar seu objetivo final ali: a líder do ginásio. Havia chegado, em um piscar de olhos, no centro do labirinto, meta principal dali, e sequer usara toda a pilha de sua lanterna. Anneth viu o rapaz e logo se assustara com a velocidade que havia chego ali.

•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•~•

—M-mas já? As pessoas geralmente demoram muito mais para chegarem aqui! — Exclamou a moça.

—Tive uma pequena vantagem... aparentemente Ralts usou Teleport para cá!

O pequenino ainda estava muito assustado com toda a ambientação das ruínas em que se encontravam e, portanto, ainda não havia parado de chorar. Por mais que a líder estivesse com dó do pokémon psíquico, ainda tinha que cumprir o ritual do ginásio. Desta forma, ativando um mecanismo próprio do ginásio, o campo era infestado por uma densa névoa negra não-tóxica. Aos poucos, a visão de Bloo ficava cada menos clara, bem como a de Ralts e Audino. Já Houndour não parecia estar se preocupando muito com isso, roendo o osso que havia encontrado no chão do ginásio.

—Todo ginásio de Equestria oferece um bônus ao tipo que o líder treina. O meu bônus é uma desvantagem aos outros tipos, pois essa névoa é invisível aos outros de um pokémon Dark. — Afirmou Anneth, que logo ia para o outro canto da arena. — Irei começar com a minha Zorua!

Mesmo com a visão limitada por conta da escura névoa, Bloo observava seus três pokémon para cogitar qual deles iria colocar em combate. Pensara na vantagem que Houndour tinha por ser do tipo Dark, mas ele estava tão iti malia roendo aquele osso que não tinha coragem para colocar ele em campo. Olhava para Ralts na sequência, porém notara que ainda estava assustado com toda a ambientação do local, sem parar de chorar desde a hora que chegara. Já Audino, por sua vez, só parecia querer batalhar em momentos de extrema necessidade, que não era o caso naquele momento. O menino estava numa difícil decisão, mas optara por seu pequeno cachorro.

—Houndour, vamos batalhar? — Questionou o menino.

—Batalhar? Quê? Quando? — Animou-se o pokémon, que imediatamente parou de roer seu osso.

—Agora! Vamos?

—Oba! Vamos vamos! O que eu faço?

—Coloque-se na minha frente! — Respondeu o menino.

O pokémon cachorro o obedeceu e se colocou a sua frente. A líder observava aquele diálogo e se surpreendia com a habilidade do rapaz em entender seus pokémon, apesar de não falar nada. Já Houndour, abandonando seu osso no chão, posicionava-se à dianteira de Bloo como lhe foi solicitado. Já estava tudo pronto para iniciar o combate, exceto...

—Podemos começar? Ótimo. Zorua, use o seu Scratch!

—Houndour... use o seu... ahn... Ember!

...exceto pelo fato do cachorro não saber batalhar. Assim que Zorua recebeu as ordens, logo fez uso de suas unhas para arranhar o seu oponente, que ao levar os danos parecia gritar de dor.

—AI! Isso doeu! Mestre, tá doendo! — Reclamou o cachorro, que voltava correndo para perto de Bloo.

—Ahn... está tudo bem aí? — Questionou Anneth, confusa com a atitude do pokémon de Bloo.

—Er... só um minutinho! Preciso de uma pausa! — Pediu o rapaz, que logo se ajoelhava para falar com Houndour. — O que aconteceu?

—Aquele monstro me machucou! Tá machucado, ó! — Respondeu o cachorro, que mostrava suas costas para mostrar o arranhão feito pela raposa.

—Ahn... isso é batalhar... — Explicou, fazendo carinho no cãozinho para ver se a dor dele melhorava.

—Batalhar... dói... — Afirmou o pokémon.

—Vamos... é divertido! Você só tem que contra-atacar!

—E como eu faço isso?

—É só jogar brasas nele!

—O que é isso? É de comer? — Questionou o cão, que olhava para os lados na expectativa de encontrar alguma bolacha canina ou algo do tipo, se decepcionando na sequência por não a encontrar.

—Bom... você é um pokémon de fogo... você solta... ahn... fogo... — Explicou o rapaz.

—Mas o que é... — Falou o pokémon, que interrompeu sua fala para espirrar, liberando pequenas brasas de sua boca. — ...isso?

—Saúde! — Respondeu Audino, como sempre, simpaticona.

—Isso... são brasas... — Explicou Bloo, sobre o espirro de Houndour.

—Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaah! Isso é brasa? Que legal que legal que legal! — Animou-se o pokémon noturno, descobrindo algumas coisas de sua própria genética.

—E é com isso que você vai vencer a Zorua! Vamos lá? — Incentivou o garoto, de modo que Houndour, concordando, novamente se posicionasse à sua dianteira.

Dessa forma, o pequeno pokémon noturno logo inspirou fundo e buscou dar um outro espirro. A forma como ele tentara executar o movimento nem de longe era a melhor, porém ainda assim funcionara: as pequenas brasas saíam de sua boca numa velocidade não muito alta, mas o suficiente para acertar a pequena raposa que confrontava, lhe dando um pequeno dano, nada que a prejudicasse tanto.

—Com o tempo seu Houndour irá conseguir dominar os movimentos de fogo, só precisa de paciência! Mas aqui lutamos com tudo o que temos! Zorua, use o seu Leer! — Comandou a líder.

—Houndour... você conseguiria... expelir uma fumaça tóxica contra o Zorua? Um Smog?

—Fumaça tóxica? Claro! Consigo sim mestre! — Respondeu o pokémon cachorro, animado.

Da densa névoa negra surgiam, aos olhos de Bloo, dois brilhos circulares e avermelhados: era o movimento da pequena raposa, que fazia Houndour recuar um pouco em seu movimento por conta do medo — principalmente por ele estar levemente assustado com o último turno —, mas o cachorro logo lembrava-se dos comandos de seu treinador e expeliu, de sua boca, uma fumaça tóxica ainda mais densa da que circulava pelo ginásio que, ao atingir seu alvo, além de dar um dano baixo, a deixava envenenada, dando uma pequena vantagem pro time de Bloo. Zorua sentia, pela primeira vez, os efeitos do status que carregava consigo, o que a deixava um pouco mal por conta das toxinas que corriam por seu corpo.

—Foi um bom movimento! Porém não o suficiente para derrotá-lo. Zorua, avance com outro Scratch! — Comandou Anneth.

Bloo teria que pensar rápido naquele momento, não podia se dar ao luxo de deixar Houndour levar mais um dano, principalmente depois do susto que fora para ele o golpe no primeiro turno. Assim, olhando aos arredores, observou que o cachorro deixou logo ao lado de seu pé o osso que estava brincando antes, uma ótima solução para fazer Houndour escapar do movimento. Aguardava o timing certo — ou pelo menos o que imaginava ser, uma vez pouco conseguia enxergar seu pokémon ou a da oponente. Desta forma, aos poucos, porém não tão lentamente, ia se agachando, até enfim chegar numa boa altura para conseguir pegar o objeto em questão, colocando-o na mão cujo braço não envolvia Ralts e, levantando-se na sequência, preparou-se para jogá-lo no campo.

—PEGA O OSSO, HOUNDOUR! — Gritou o rapaz, que logo jogava o osso para seu cachorro.

—OSSO? — Respondeu o pokémon, que observava o objeto voando aos ares e ia correndo em direção dele.

Neste momento Zorua se aproximava com suas afiadas unhas para atacar a criatura de fogo, mas acabou errando o movimento por pouco. Anneth olhava aquilo com seriedade, não sabia exatamente o que fazer quanto aquilo. Além disso, Houndour ainda não havia atacado naquele turno, o que era uma oportunidade perfeita para tal, já que a raposinha estava totalmente distraída chocada com a estratégia que fora realizada contra ela.

—Agora Houndour, use seu Ember! — Comandou Karl.

O canino se tocava que ainda estava "brincando de batalha" e, dessa forma, deixando o osso de lado por alguns segundos, atacara seu alvo, tentando novamente a estratégia do espirro. As fagulhas que saíam de sua boca novamente acertavam seu alvo, lhe dando outro pequeno dano. Zorua, que sofria mais uma vez dos efeitos do envenenamento, não resistira aos ferimentos, vindo a ficar inconsciente logo na sequência.

—Retorne, Zorua! — Proferiu Anneth, que retornava sua pokémon com tristeza, olhando para frente na sequência para falar com seu oponente. —Eu poderia cancelar esse desafio de ginásio, visando que ele é feito para que os pokémon testem suas habilidades quase sem influência externa senão o bônus do ginásio, mas... a forma como você e seu Houndour lidaram com o ataque só me faz ter mais vontade de continuar esse combate e ver do que mais você é capaz... então venha com tudo!

Bloo recebia as palavras da líder como um elogio, apesar de no fundo não saber se fora de fato ou se na verdade acabou sendo uma bronca velada. Fato é que a estratégia do osso nunca deu tão certo — até porque foi a primeira vez que foi testada — e Houndour, se auto-presenteando pela vitória, voltou para seu osso. O rapaz o chamou para perto, no aguardo do segundo pokémon que iria enfrentar naquele ginásio. Observava, também, que Ralts parecia ter se acalmado um pouco. Por algum motivo a energia trazida em combates fazia o pequeno psíquico ficar sempre mais calmo — como já aconteceram em outras ocasiões.

—Meu pequeno... acho que agora é com você... — Falou Bloo para seu pokémon, o qual ainda estava envolvido em seus braços.

—E-eu? — Respondeu Ralts, receoso com a resposta.

—Vamos... você consegue! Você vai se tornar o mais forte pokémon de todos os tempos! — Encorajou o menino, que sem perceber fazia uma certa chantagem emocional com seu pokémon.

—S-ser o mais forte? — Indagou o pequenino, repensando sua decisão. — T-tudo bem...

Dessa forma, Bloo colocava-o no chão e esperava que ele entrasse na névoa. Enquanto isso, Anneth já parecia estar pronta para lançar o último pokémon daquele desafio. Já segurando sua esfera bicolor, a garota a joga para o alto e libera um pokémon ao qual Bloo não conseguia identificar com precisão, mas pela silhueta que conseguia observar pela névoa parecia ser alguma espécie de peixe.

—Então é isto! Irei usar meu Carvanha! — Afirmou a líder, que já estaria pronta para iniciar o combate.

—Vamos com tudo, Ralts! — Exclamou o treinador, que cada vez mais parecia estar determinado a vencer sua oponente, sequer parecia o garoto do dia anterior totalmente desanimado. — Faça uso de... ahn... seu Confusion!

—Muito bem Carvanha, ataque Ralts com seu Aqua Jet!

E antes mesmo que o pokémon psíquico pudesse fazer alguma coisa, a piranha se envolvera numa porção de água e, com isso, se jogava contra seu oponente, que recebia uma boa parcela de dano. A piranha parecia ter uma força maior que a de seu parceiro derrotado anteriormente, o que poderia ser um grande problema para Ralts que, assim que levara o golpe, não deixou barato e atacou com seu Confusion. Porém, mesmo enxergando — muito pouco — a piranha e vendo que havia atingido-a, ela não parecia ter sofrido nada, era como se não tivesse levado nenhum dano sequer de seu oponente, o que acabou deixando Ralts frustrado.

—Seu primeiro erro! Golpes do tipo psíquico não afetam pokémon do tipo noturno! Isso pode lhe custar o jogo! Carvanha, ataque-o com seu Bite!

Audino ouvia a líder e parecia ficar cada vez mais preocupada com seu parceiro, colocando suas mãos na boca, uma mania que parecia ter quando ficava nervosa e, sem hesitar, gritou frases de apoio para ele.

—Vai Ralts! Você consegue! Tenha determinação!

Bloo olhava para ela e rapidamente trocava sua feição de angústia pelas imaginações que estava tendo quanto ao desfecho daquele combate por uma expressão de confiança. Talvez não vencesse aquele combate, mas sabia que iria fazer o melhor para tal, e não deixaria Ralts desmaiar tão facilmente para a piranha. Logo se lembrava que, durante sua conversa com Audino, ela lhe havia falado uma informação que neste momento seria muito valiosa.

—Sim! Você consegue! Principalmente usando seu Disarming Voice! — Afirmou o rapaz que, junto de sua pokémon, tentava incentivá-lo

Ralts ouvia os dois com muita atenção, tentando ignorar completamente a dor que sentia proveniente do primeiro ataque. Carvanha, por sua vez, não parecia estar se importando muito com as palavras de apoio ao seu oponente e logo o atacou com seu Bite, abocanhando o corpo da pequena criatura e lhe cravando profundamente seus dentes, o que acabou por gerar um grandioso dano. O pokémon psíquico se assustara com o movimento abrupto do peixe, mas não estava a fim de desistir. Abrindo sua pequena boca, ele logo libera uma doce melodia que encantava a qualquer um que a escutava, exceto seu oponente. Carvanha não parecia gostar do som e parecia se agonizar cada vez mais, até que vários corações lhe envolviam e estouravam contra seu corpo, lhe gerando um alto dano, já que possuía a fraqueza aos movimentos do tipo fada, o qual era categorizado o golpe de Ralts.

—Seu Ralts está de parabéns! Consegue executar seus movimentos com brilhantismo! — Elogiou Anneth. — Porém neste combate ele não terá um bom futuro! Prepare-se para vê-lo cair! Vamos Carvanha, ataque-o com seu Bite novamente e acabe com isso!

—Essa não... — Pensou o rapaz em voz alta. — Seja rápido Ralts, use o seu Disarming Voice novamente!

Ralts já estava muito ferido, o que significava que um próximo golpe da piranha poderia fazê-lo desmaiar de vez. Vendo essa oportunidade, o aquático mais uma vez se prepara para uma forte mordida contra seu alvo, o fatídico movimento que colocaria fim naquela disputa entre eles. Vendo o desespero bater em sua porta, o pequeno psíquico age por impulso e, fechando seus pequenos olhos, se teletransporta para um outro lugar da arena ao uso de Teleport, desviando do movimento de seu oponente, o qual já estava longe. Vendo essa como uma das melhores oportunidades para atacá-lo, ele novamente faz uso de sua meiga voz para dar dano na piranha. Carvanha recebeu este movimento mais vulnerável do que da última vez, o que abriu espaço para levar ainda mais dano, que era somado ao fato de ser um golpe super efetivo. Dessa forma, o peixe não teve muita chance no combate e acabou inconsciente. Anneth olhava aquilo com tristeza, havia perdido o desafio do ginásio. Retornando seu pokémon à esfera, ela logo apertou o botão que fez a arena voltar ao seu estado padrão, sem nenhuma névoa, o que fez Bloo observar o estado de seu Ralts: deitado no chão, extremamente cansado após essa batalha.

—Você e seus pokémon conseguem batalhar muito bem... — Comentou a líder, que se aproximava lentamente do garoto. — Nem mesmo parece que você iniciou a jornada ontem!

—Ah... obrigado... — Respondeu Bloo de maneira tímida, quando perdeu o foco ao ver Audino ir até à arena e pegar o pequeno psíquico no colo.

—Tenho o prazer de lhe dar a insígnia do ginásio de Helgardh! Você merece!

Anneth pegava um pequeno emblema de seu bolso e entregava para o menino, que logo voltava a dar atenção a ela. Ele parecia estar satisfeito com a vitória, mas ao mesmo tempo imaginava que não era aquilo que ele queria. A dama logo percebia e voltava a comentar.

—Talvez não seja isso que você queira, eu imagino... de qualquer maneira, você pode falar com Aslan logo na entrada, ele pode ser a solução para seus problemas! — Afirmou.

Bloo lembrou-se de ter falado com um rapaz logo na entrada, aquele que lhe dera a lanterna, provavelmente era dele que ela falava. Com o auxílio de Anneth, o garoto atravessava o labirinto novamente — dessa vez sem ajuda do conveniente Teleport — e em questão de minutos estava na porta que o levaria à saída. A líder antes de se despedir, revelou uma coisa muito importante.

—O osso que Houndour estava roendo era de um dos que foram mortos aqui antigamente... isso era um calabouço!

Bloo se arrepiara inteiro juntamente com sua Audino ao ouvir aquilo, mas isso não passava de uma brincadeira. Rindo da cara do rapaz, Anneth desmentiu a informação, alegando apenas que era um osso que seu Houndoom um dia encontrou numa escavação e o trouxe consigo para o ginásio por ter gostado muito dele. Assim, dando tchau para o rapaz, ela dá meia volta e sai, enquanto Bloo se dirige para fora do obstáculo e dá de cara, novamente, com o mesmo desconhecido de antes.

—Ahn... você... você é o Aslan? — indagou o rapaz, ao mesmo tempo tímido e curioso.

—Eu mesmo! Como posso lhe ajudar?

—Eu... não tenho certeza... Anneth me disse para falar com você...

—Anneth, certo... — Pensou em voz alta o homem, que provavelmente já havia tido alguma conversa com ela antes. — Bom, eu sou um explorador, vivo disso! Posso te levar para explorar algum lugar...

—Explorar? — Indagou o menino, em dúvida se era aquilo que ele queria, mas olhava para seus três pokémon e pensava que não poderia haver coisa pior que enfrentar este ginásio. —Ahn... certo... eu aceito!

—Você e seus pokémon parecem ter se assustado com o ginásio, dá para notar na feição de cada um! — Comentou o explorador, rindo. — Posso vos levar a um lugar menos... aterrorizante... me encontrem daqui há duas horas na frente do Poké Center, iremos à Hortus Animi!

Bloo parecia estar com vários sentimentos ao mesmo tempo: ansiedade e medo, nervosismo e empolgação... juntamente de seus três pokémon, o rapaz saía do local e se dirigia ao Poké Center, onde curaria seus pokémon, aguardando com entusiasmo as duas horas se passarem, para que enfim sua jornada continuasse — ou então, iniciasse! Para Houndour isso seria fácil, já que agora não tinha coisa que o distraísse mais que seu novo osso!

[TO BE CONTINUE...]
Gust F.
avatar
Mensagens : 292

Gust

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Jornada] Gust F.

Mensagem por Arceus em Sex Dez 07, 2018 4:31 pm


Avaliação:
✬✬✬

Audino recebeu 300 de Experiência e subiu para o nível 13! (100/900)
Ralts recebeu 1200 de Experiência e subiu para o nível 14! (400/1000)
Houndour recebeu 2200 de Experiência e subiu para o nível 13! (100/900)


Audino
Nvl: 13 (100/900)
Hp: 44/44


Ralts
Nvl: 14 (400/1000)
Hp: 19/19


Houndour
Nvl: 13 (100/900)
Hp: 18/18

O player recebeu 250 de experiência! Subiu para no nível 5! (050/500)

Item: Fire Gem
Recebe: $1.000
Presentes: 3 Rosa
Arceus
avatar
Mensagens : 617

Arceus

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Jornada] Gust F.

Mensagem por Gust F. em Sab Dez 08, 2018 8:39 pm


Local: Helgardh City
Capítulo 6.1
Exploração (P.V)
4º Evento
Nível de Classe: 05
12:10 — Dia 2
Anteriormente
Após ser resgatado por Anneth e ter uma séria conversa com ela sobre seus objetivos, Bloo decidiu que iria enfrentar o ginásio de Helgardh, assim o fazendo. Após vencer a líder e receber a insígnia local, Bloo foi falar com Aslan e, juntos, eles vão para uma exploração em Hortus Animi.
Off's
1: FÉRIAS :olhaela: (mais ou menos, obrigado Gouvea)

2: Deixem meu Ralts em paz :lia:
Legendas
→ Bloo
→ Karl
→ Audino
→ Ralts
→ Houndour
Os segredos de Horteus Animi — Parte I
Goodbye — Part I
Bloo aguardava, como combinado por Aslan, na frente do Poké Center, após ter curado seus pokémon com o auxílio de Cloé, enquanto Houndour seguia brincando com o osso que havia encontrado no ginásio e Audino e Ralts pareciam fazer algum tipo de brincadeira que ele não entendia. Alguns minutos se passaram quando o rapaz, ainda olhando para o alto, avista dois Pelippers que, aos poucos, iam baixando a altitude. Em cima de um deles, estava o explorador, enquanto guiava o outro que não carregava ninguém.

— Bom, aqui estou, como prometido! — Comentou o explorador, que assim que chegava no chão, descia de seu pokémon aquático e olhava para seu relógio no pulso, vendo que havia chegado pontualmente conforme o combinado. — Espero que você esteja preparado para uma grande aventura! Mas... o Pelipper só irá conseguir carregar você! — Comentou, olhando para as três criaturas de Bloo.

O menino observou seus três pokémon rapidamente com tristeza, já que gostava da presença deles por perto, mas logo retornava-os para suas respectivas Poké Balls. Sendo instruído por Aslan, ele na sequência subia num dos pelicanos, que logo levantava voo juntamente do outro, o qual carregava o orientador de Bloo.

—Não vai demorar muito até chegarmos em Hortus Animi! É um local visualmente mais acolhedor que o ginásio, você verá! — Comentou o rapaz, recebendo a atenção do treinador que não falava nada.

O voo não foi muito longo, sendo que em 10 minutos eles enfim chegaram no lugar. Com os pokémon descendo calmamente, Bloo notava que estava na frente de uma espécie de estufa abandonada, num ponto aparentemente isolado do mapa. Assim que os pokémon chegaram na altura do chão, o rapaz e o outro explorador desceram deles. A primeira coisa que Bloo fez assim que pisou no solo foi liberar seus três pokémon novamente, que pareciam ter ficado assustados com a esfera, uma vez que estavam desacostumados, mas logo notaram que estavam em um ambiente totalmente diferente do comum.

— Esta é Hortus Animi. Eu não irei lhe acompanhar porque a graça é você descobrir tudo sozinho! — Comentou o homem, que dava uma rápida risada na sequência. — Apenas observe tudo o que puder! Quando quiser ir embora, me avise, estarei aqui lhe esperando!

Bloo se assustou com o fato de que teria que fazer tudo aquilo sozinho, onde havia se metido? Respirando fundo, o rapaz começava a andar em direção à entrada do local juntamente de seus três pokémon. Uma corrente de ferro envolvia o trinco da porta, a qual estava presa por um cadeado, mas este estava tão velho que não foi muito difícil para Bloo abri-lo e, assim, entrar na estranha construção. De fora a estufa parecia ser grande, mas assim que ele entrara, observava que era ainda maior. Olhando aos arredores, notava que estava tudo abandonado, não havia ninguém por perto, mas ao mesmo tempo tão bem cuidado que parecia que algum responsável por zelar o local poderia estar circulando por ali. A primeira coisa que o menino e seus companheiros — exceto Houndour que estava distraído demais ainda brincando com seu osso — faziam era averiguar as redondezas, checando todas as flores.

— É tão estranho como esse lugar está tão... vivo... — Comentou Audino, enquanto tocava com delicadeza em cada uma das flores.

— E-esse lugar é tão isolado... que seria quase impossível um ser humano cuidar daqui todo dia...

— Talvez em tempos mais remotos... — Teorizou a pokémon.

Cada flor estava mais viva que a outra, as fortes cores que elas possuíam eram tão lindas que chegava a ser intrigante. Como era possível um local, sem nenhum sinal de ser humano e sequer de pokémon por perto, estar tão vivo? Será que havia alguma força mística atuando por trás? Bloo pensava em diversas teorias, quando fora repentinamente interrompido por Ralts, que puxava levemente sua calça.

—Ei ei! Vem ver o que eu achei! Vem vem vem! — Falou o pequeno, animado com a sua descoberta.

Assim, levando seu treinador até o local onde estava, Ralts, com muito cuidado, abria um pouco de espaço, afastando as flores entre si, quando pedia para Bloo se agachar rapidamente. O rapaz observava ao menos três caixas pequenas, cada um com uma cor de laço diferente: um rosa, um vermelho e um azul.

— São os presentes... que a enfermeira pediu para eu procurar... — Comentou o garoto, feliz com a descoberta de Ralts, afagando sua cabeça como uma recompensa, mas logo se tocava de que aquilo não era tão normal. — Espera, o que eles estão fazendo aqui?

Estranhando todo aquele ambiente, Bloo não hesitou em pegar os presentes dali, afinal de contas, havia aceitado ajudar Cloé nessa busca. No entanto, assim que pegara o de laço azulado, mais ao fundo, notara que ainda não havia acabado: havia uma estranha pedra escondida. Parecia ser algo fossilizado, mas Bloo não tinha certeza, pegando-o em sua mão para analisar com mais detalhes. Audino que, curiosa, foi ver o que estava acontecendo, observara o objeto rochoso com atenção e logo identificara do que se tratava.

— Parece ser um Skull Fossil! — Comentou a pokémon, intrigada. — O que ele estaria fazendo aqui?

Tudo estava muito estranho pelas redondezas, muitos mistérios ao redor da tal estufa, porém Bloo não hesitava em colocar tudo o que encontrara ali em sua mochila, imaginava que talvez fosse interessante tê-los consigo para pesquisar depois a origem deles e tentar entender o que estava acontecendo por ali. Não tinha muito o que fazer, uma vez que não conseguia compreender os mistérios, mas decidira explorar outro canto da enorme estufa, já que se prendeu a explorar apenas um primeiro canto. Tudo aos arredores se assemelhava muito: flores vívidas, das mais variadas espécies e outras plantas menores que se espalhavam, como se fosse um padrão. Aquilo parecia uma floresta de tanta vegetação que possuía, se não fosse por uma parede que delimitasse até onde ia o espaço. Saindo um pouco de perto dos tais limites, Bloo e seus pokémon — sem Houndour, que continuava a brincar com seu osso ainda na entrada — iam em direção ao centro para ver se encontravam mais alguma pista, seguindo por uma trilha de pedras. Na caminhada, avistaram uma estranha mesa de piquenique feita de mármore e enfeitada com algumas flores de espécies diferentes das que estavam ao redor. O treinador se aproximava aos poucos para examiná-la, quando viu que acima dela haviam dois pedaços pequenos de alguma coisa supostamente quebrada.

— O que são essas coisas? — Indagou o menino, que notava que um dos pedaços era mais escuro que o outro.

— É um pedaço de Dusk Stone! A outra não consigo identificar... — Falou a pokémon, que tentara forçar a mente para lembrar, mas sem sucesso.

— Está tudo muito estranho por aqui... o que será que es...

Porém o rapaz fora interrompido repentinamente quando Ralts, como de costume, puxava a calça do rapaz para chamar sua atenção e, assim que a obteve, apontava para frente. Seguindo a direção do dedinho do pequeno pokémon psíquico, Bloo observou uma pokémon com um semblante não muito animado logo à sua frente. Estava com medo daquele olhar, mas mesmo assim fazia uso de sua pokédex para obter detalhes sobre a mesma.

Pokédex:


[Psychic]
Gothorita, o pokémon manipulação. Ela usa sua hipnose para controlar pokémon e humanos. Histórias de Gothoritas levando humanos ao erro são contadas em todos os cantos.

Antes mesmo que o treinador pudesse reagir de alguma forma, a pokémon logo utilizara de seu Confusion para o manter preso no lugar, de tal modo que ele sequer conseguia se mexer. Irritada, Gothorita logo questionou ao trio.

— O que vocês estão fazendo aqui? Respondam!

Ralts parecia tão assustado que não conseguia falar nada. Já Audino parecia irritada ao ver as atitudes da criatura à sua frente. Sem perder tempo a atacou utilizando de seu Pound, fazendo uso de suas delicadas mãozinhas para lhe disferir um tapa na cara da pokémon psíquica, a fazendo perder o controle de seu Confusion e, desta forma, liberar Bloo, que imediatamente pensava em proteger seu pokémon menor, o pegando no colo novamente. As duas pokémon pareciam estar irritadas uma com a outra, mas Gothorita não parecia querer entregar o jogo tão rapidamente.

— Saiam daqui agora ou vocês sofrerão as consequências! Este lugar não deve ser infectado por humanos e nem pokémon que a eles obedecem! — Falou a pokémon selvagem, que revidava o Pound de Audino com seu Double Slap.

Audino permanecia em silêncio até mesmo depois de sua oponente falar e, assim a vira avançando para lhe atacar, ela logo se jogou para o lado na tentativa de desviar, mas sem sucesso, uma vez que Gothorita já imaginava que isso pudesse acontecer. Dessa forma, recebendo 3 golpes da selvagem, Audino logo se levantou e avançou com outro Pound. Bloo e Ralts observavam a batalha com uma certa aflição, não imaginava qual resultado iria prevalecer ali.

— Este é o último aviso! Evacuem o lugar agora! — Alertou Gothorita.

— Ah, cala a sua boca! — Retrucou Audino.

As duas pareciam de fato não se gostar. Assim que ouvira a resposta de sua pokémon, o treinador espantou-se com a agressividade, mas parecia estar se divertindo com aquilo: pareciam duas adolescentes rebeldes discutindo e se saindo no tapa. Gothorita, que não havia gostado nada do tratamento, lançava contra a pokémon normal um Confusion, a envolvendo num feixe azul e a impedindo de se mover por algum momento, até onde aguentasse seu poder psíquico — o que não parecia ser um problema só de Ralts, afinal. Após receber o dano, Audino já aparentava estar muito irritada: logo ela fechava os olhos, respirava fundo e, na sequência, liberava uma doce melodia de si, acompanhado de diversos coração que estouravam assim que se aproximavam de Gothorita. Parecia ser o mesmo Disarming Voice que o companheiro psíquico dela havia usado em duas ocasiões diferentes e que agora ela sabia como utilizá-lo. Porém esse movimento veio numa intensidade tão forte — provavelmente devido à raiva que moveu a usuária — que a pokémon selvagem não conseguiu resistir aos ferimentos, vindo a desmaiar na sequência.

— Pra aprender a deixar de ser trouxa! — Vangloriou-se Audino pela vitória.

Bloo, que estava assustado com a agressividade de sua pokémon — coisa que nunca havia visto antes —, mesmo após ter se divertido com o combate, achou que seria melhor sair do lugar naquele momento. Mas ao mesmo tempo estava tão intrigado com o local que sequer sabia que decisão tomar. Ao menos já sabia que ali não estava totalmente deserto.

— O que nós fazemos agora? — Questionou o rapaz para seus dois pokémon, ainda sem notar a ausência de Houndour.

— Nós vamos continuar explorando aqui, oras! — Respondeu a criatura normal, só para implicar com a Gothorita que havia derrotado.

— Então ok, vamos continuar...

[TO BE CONTINUE...]
Gust F.
avatar
Mensagens : 292

Gust

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Jornada] Gust F.

Mensagem por Arceus em Seg Dez 10, 2018 1:25 pm


Avaliação:
Valido

Gothorita começará a desaparecer como pó, como se aquilo não passa-se de um mero fantoche. De repente uma onda psíquica irá se espalhar por todo o ambiente, você, Audino e Houndour irão começar a se sentir mal como se suas energias fossem sugadas. (Embora Houndour não esteja com vc agora ele também irá ser afetado) Ralts vai descer de seus braços e irá querer continuar adiante como se aquela onda não o afetasse negativamente. (e realmente não afeta, muito pelo contrario irá dar mais energia ao Pokémon) Vocês então vão sentir que algo os observa e em tom ameaçador uma voz dirá pra recuarem. A orb estará "escondida" entre algumas plantas e seu pequeno canino irá encontrar, dizendo que a esfera foi arremessada pra ele.


Audino
Hp: 20/44


Ralts
Hp: 19/19


Houndour
Hp: 18/18


(Sinto muito pela demora, to com outra crise, qualquer coisa manda mp)
Arceus
avatar
Mensagens : 617

Arceus

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Jornada] Gust F.

Mensagem por Gust F. em Sex Dez 14, 2018 3:57 am


Local: Helgardh City
Capítulo 6.2
Exploração (P.V)
4º Evento
Nível de Classe: 05
13:15 — Dia 2
Anteriormente
Bloo iniciou sua expedição em Horteus Animi ao lado de seus três pokémon. Enquanto exploravam o local, se depararam com uma Gothorita que estava extremamente irritada com a presença do rapaz ali, mas foi facilmente derrotada em uma batalha. Agora o quarteto continua em busca de resolver alguns mistérios do local!
Off's
1: FÉRIAS :olhaela: (mais ou menos, obrigado Gouvea)

2: Deixem meu Ralts em paz :lia:
Legendas
→ Bloo
→ Karl
→ Audino
→ Ralts
→ Houndour
Os segredos de Horteus Animi — Parte II
Goodbye — Part II
Bastou Bloo e seus pokémon darem alguns passos para que Audino, assim que ouvira um som esquisito, olhava para trás assustada e se deparava com Gothorita virando pó e se esvaindo dali.

— O-o que está acontecendo? — Gaguejou a criatura, amedrontada.

Bloo, que até então não estava reparando em nada, decidiu ver o que tanto arrepiava sua pokémon, quando notou que a psíquica não estava mais ali. Tal como sua companheira, o menino pareceu ter ficado extremamente assustado com aquilo, mas não comentou nada, seguindo sua caminhada pelo estranho local. Olhava aos arredores para ver se encontrava mais alguma coisa, porém nada. A visão que Audino tivera anteriormente parece lhe perseguir até o momento, de modo que ela não conseguia parar de olhar para trás de tempos em tempos.

— Ei, o que é aquilo? — Perguntou Ralts que, no colo de seu treinador, apontava para algo brilhante ao chão.

O rapaz se atentou, novamente, à direção que seguia pelo pequeno dedinho do pokémon, reparando em um tipo de gema. Ele pegava para que pudesse examiná-la e, nesse momento, algo parecia lhe deixar para baixo, totalmente desanimado. Achava que poderia ser efeito da tal pedra, mas reparava que Audino também estava na mesma situação. O pokémon psíquico, por sua vez, parecia o contrário: estava ainda mais agitado, pulando do colo de seu treinador e querendo guiar o grupo, porém se espantara ao reparar que os outros dois não estavam no mesmo ânimo.

— Aaaaaah, vamos, se animem! Isso está muito divertido! — Comentou o pequeno, que liderava o caminho.

— Bloo... eu não estou bem... acho que é melhor sairmos daqui logo... — Cochichou a pokémon audição para seu treinador, que concordava com ela.

Porém, não apenas os dois já haviam tomado a decisão de encontrar a saída dali — que em meio a tantas flores e outras vegetações ficou perdida — como também uma estranha voz parecia querer dar o recado para eles.

— Saiam daqui imediatamente se não quiserem sofrer as consequências!

O discurso parecia ser o mesmo que o utilizado por Gothorita, mas tanto o rapaz quanto sua pokémon olhavam aos arredores e não encontravam a fonte daquela voz. Seguiam andando com um certo medo, enquanto procuravam a porta que os tirariam dali e tentavam entender o que estava acontecendo. No entanto tudo aquilo, por pior que estivesse se saindo, parecia estar divertindo o rapaz, que estava completamente aficionado pelos mistérios do local. Se aquele lugar era daquele jeito, imagina o que outros poderiam esconder? O menino definitivamente lutava contra o repentino desânimo conjunto e se empolgava — não tanto quanto seu pokémon fada — com toda a expedição que estava fazendo. No entanto voltara ao mundo real assim que ouviu um grito de seu Houndour, só então reparando sua falta. Correndo na direção dele, enfim se deparou com a porta, mas além disso, viu que o cachorro estava sendo atacado por uma pequena flor de tamanho minúsculo. No entanto, reparara que, em sua boca, não estava mais o osso que ele tanto brincava desde que chegaram no ginásio, mas sim uma estranha esfera rosada.

— Houndour! — Exclamou o rapaz, tentando chamar a atenção de seu pokémon noturno de tal modo que a atacante também reparasse na presença deles. — Essa não é uma boa hora para brincar! Use o seu Smog!

O pokémon de fogo então deixou, por alguns momentos, a orb no chão e, liberando uma fumaça negra contra a pequena pokémon flor, tampou sua visão por alguns segundos. Era o momento perfeito para o menino correr dali. Pegando Ralts outra vez e o colocando em um de seus braços, no tempo em que pegava o osso, ele e seus companheiros fugiram dali. Assim que Audino, a última a sair, deu seu primeiro passo no gramado fora da estufa, as portas bruscamente se fecham e, pela última vez, a tal voz podia ser ouvida.

— E nunca mais voltem aqui!

Bloo se arrepiara, estava completamente assustado com seus últimos momentos naquela estufa. Não podia deixar de repercutir com sua pokémon inicial sobre tudo o que aconteceu ali. Audino, igualmente assustada, reconheceu a selvagem que estava atacando o pokémon de fogo, dizendo que era uma Flabébé. Ainda com a adrenalina percorrendo sobre seu corpo, Bloo sentou-se brevemente no chão verde para relaxar um pouco, quando notara que, na boca de seu pokémon, ainda estava a tal esfera.

— Houndour... o que é isto? — Questionou o menino, intrigado com o objeto.

— Fá fá fó fó fá fó fó fá fó fó fá! — Respondeu Houndour, ainda com a enorme esfera em sua boca.

Bloo, que não havia entendido nada do que foi dito por seu pokémon, tirou cuidadosamente o artefato de sua boca, o olhando com atenção em suas mãos. O cachorro mais uma vez repetiu o que havia dito anteriormente.

— Jogaram essa bola pra mim! Eu adoro brincar de bola! Mas é uma bola dura, não gostei!

— Jogaram? Quem jogou?

— Eu não reparei... quando eu vi já tava na minha frente!

O treinador olhava para aquilo com muita atenção, mas logo dava o osso de Houndour, em sua outra mão, para que o cachorro pudesse brincar, já que sem querer havia tomado seu novo passatempo.

— O que é isto? — Indagou o menino, completamente receoso com o objeto em suas mãos, logo o guardando em sua mochila.

— Acho que você deixou isso cair, é uma Flying Gem! — Respondeu Audino, recebendo a atenção de seu mestre por um segundo, quando ele decidiu apenas também guardá-lo.

Bloo então decidiu levantar-se e enfim seguir para Aslan novamente, que pareceu feliz com o desempenho do rapaz — mesmo que não acompanhado de perto. Por notar o cansaço dele, o explorador decidiu apenas levá-lo novamente para Helgardh City, sem perguntar nada para ele no momento, julgando que seria melhor um bom descanso, principalmente mental, antes que conversassem a respeito das aventuras em Horteus Animi. Desta forma, Bloo, retornando seus três pokémon à esfera bicolor de cada, subira em cima do Pelipper de antes e, assim, voou novamente para a cidade onde estava, onde sua jornada teria sequência.

[TO BE CONTINUE...]
Gust F.
avatar
Mensagens : 292

Gust

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Jornada] Gust F.

Mensagem por Arceus em Sex Dez 14, 2018 5:40 pm


Avaliação:
✬✬✬

O primeiro post foi muito bem feito e mesmo com poucas informações você conseguiu bastante "explorar" a sua volta. Porem, assim como com a Mercy, seu segundo post me desapontou. No seu caso eu havia lhe dado o resto da historia, mas você não soube explorar bem o que eu propus e simplesmente jogou os pontos que eu lhe passei.

Audino recebeu 2250 de Experiência e subiu para o nível 15! (450/1100)
Ralts recebeu 2250 de Experiência e subiu para o nível 16! (550/1200)
Houndour recebeu 2250 de Experiência e subiu para o nível 15! (450/1100)


Audino
Hp: 50/50
+60 de Felicidade


Ralts
Hp: 21/21
+60 de Felicidade


Houndour
Hp: 20/20
+60 de Felicidade


Expedição rendeu 2% na área
+ $ 1.000
+ 250xp
Lvl: 5 (300/500)

Mind Orb

Flor de Gelo
Arceus
avatar
Mensagens : 617

Arceus

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Jornada] Gust F.

Mensagem por Gust F. em Dom Dez 16, 2018 6:18 pm


Local: Helgardh City
Capítulo 7
Treino (Semi-OFF PVP)
5º Evento
Nível de Classe: 05
14:05 — Dia 2
Anteriormente
A expedição foi encerrada, é isto. :morta:
Off's
1: FÉRIAS :olhaela: (CHUPA GOUVEA, ACHOU QUE IA ME REPROVAR? ACHOU ERRADO, OTÁRIO)

2: Deixem meu Ralts em paz :lia:

3: Apesar de eu não ter citado no texto, eu gostaria de comprar as TM's 35 — Flamethrower, 11 — Sunny Day, 17 — Protect e 06 — Toxic, onde o total é 8800$. Não citei no texto porque quero narrar que os Pokémon aprendem o movimento por TM naturalmente e, portanto, não haveria sentido narrar a compra de um CD. Por uma questão de coerência, eu gastei o mesmo dinheiro narrativamente com coisas inúteis para meu Houndour porque ele merece, é isto.

4: Esta jornada refere-se à validação [DESDE PVP], onde eu ganho 25% a mais da EXP que for me dada, é isto.

4.1: Apesar das regras, eu fiz uma pequena inversão na narrativa da batalha, por uma questão de história, colocando o Houndour antes do Ralts. Porém todos os movimentos utilizados e até o resultado final foi igual.

5: A flor de gelo vale 5000$ no Pokémart.

6: Eu basicamente usei meu poder de Teleport, proveniente das missões, para viajar para um outro canto do mapa. Vou decidir onde cair no próximo capítulo, é isto.
Legendas
→ Bloo
→ Karl
→ Audino
→ Ralts
→ Houndour
Um estudo em cinza
Não demorou muito até que Bloo finalmente chegasse em Helgardh City, lugar de onde partira para a expedição. Pousava logo na frente do Poké Center onde, junto de Aslan, entrava. Dirigia-se ao balcão de Cloé novamente, lhe entregando seus três Pokémon e, na sequência, se sentara ao sofá esbranquiçado, no canto do edifício, junto do explorador que lhe acompanhara até ali, ouvindo atentamente à sua pergunta.

— Sabe... Horteus Animi sempre foi um lugar muito misterioso... você conseguiu descobrir alguma coisa?

— Ahn... não exatamente... é um local muito vivo... para não ter ninguém cuidando... — Respondeu o treinador, que coçava sua cabeça num sinal de dúvida.

— Sim... esse sempre foi um dos maiores mistérios...

— Além do mais... uma voz mandou eu sair de lá ou coisas ruins iriam acontecer... foi assustador!

— Uma voz hã... muito estranho... — Pensou Aslan em voz alta, sendo interrompido pela voz de Cloé que chamava Bloo em seu balcão para pegar seus Pokémon novamente.

Ele se dirigia até lá quando, como um choque que tomara, havia dado um salto repentino, lembrando-se dos presentes que havia encontrado na estufa — um vermelho, um rosa e um azul. Pegando-os em sua mochila, devolvia para Cloé.

— Muito obrigada! Você vem sendo de grande ajuda para nós! — Exclamou a enfermeira, contente em ver mais três presentes em suas mãos.

O rapaz da família Napsta, feliz em ouvir tais palavras, retribuía com um sorriso, enquanto pegava seus três monstrinhos novamente. Despedindo-se da moça dos cabelos rosas, ele logo se dirigia novamente a Aslan, que não parecia ter mais muitas dúvidas sobre a expedição, exceto...

— Afinal... se você fez uma exploração, deve ter encontrado itens! O que você achou?

Bloo ouvia a pergunta mas não lembrava-se exatamente das coisas. Foram tantas emoções que passara que metade de toda a aventura foi praticamente apagada de sua memória. Passou-se alguns segundos quando enfim recordou-se de ter coletado alguns itens interessantes que estavam por lá, logo pegando alguns dos mais interessantes de dentro de sua mochila, dentre eles uma estranha flor de gelo que havia visto logo na saída e a esfera pega por Houndour.

— Eu encontrei isso! — Profanou o rapaz, que mostrava para Aslan os artefatos.

— Objetos muito interessantes... recomendo que fique com a esfera, ela é muito especial... — Explicou o explorador, que a pegava em suas mãos por um instante. — Essa é uma Mind Orb, ela pode ser muito útil para estudar os mistérios de Horteus Animi.

— E quanto à esta flor? — Indagou, curioso quanto à flor de tom esbranquiçado que estava em sua mão.

— Eu não vejo ela com um grande utilidade no momento... Talvez se você vender ela possa conseguir um bom dinheiro... — Sugeriu Aslan, que logo devolvia o objeto rosado para Bloo. — Pois bem, meu querido... quando você estiver interessado em outra expedição, me contacte... este é meu número!

Assim, entregando um papelzinho para o menino, o explorador se despede dele e sai do Poké Center, provavelmente rumando ao gym outra vez. Já Bloo, seguindo as recomendações dele, foi até o balcão do Poké Mart conversar com Margaret, para ver se conseguia vender a planta azulada que havia encontrado. Para a sua surpresa, a mulher ofereceu 5000$, dando esta quantia nas mãos dele imediatamente, que ainda não acreditava nisso. Não havia mais nada para fazer ali e, portanto, logo saiu do estabelecimento acompanhado de seus três Pokémon, indo direto numa Pet Shop comprar alguns brinquedinhos novos para seu cachorro de fogo, como bolinhas que fazem barulho, um Psyduck de borracha e até um osso de plástico, gastando boa parte de seu dinheiro ali. Na sequência, sem ter mais nada para fazer em qualquer prédio da cidade, eis que surge a grande dúvida.

— Para onde vamos agora? — Questionou Audino, olhando aos arredores de Helgardh.

— O que vocês acham de ficar aqui mais um pouco? Sabe, treinar e tal... — Sugeriu Bloo, enquanto contemplava alguns dos altos prédios da grande cidade.

— Treinar pra ficar forte? Eu quero, eu quero! — Apoiou Ralts, que estava completamente animado com a ideia.

Num âmbito geral, a ideia foi aprovada pela maioria — exceto pelo Houndour, que estava totalmente distraído com um de seus novos brinquedos, o pato. Dessa forma, para não deixá-lo para trás, o rapaz o pegou em seu colo e seguiu, ao lado de seus outros dois Pokémon em busca de um lugar mais adequado para treinar. Havia cogitado, num primeiro momento, na mesma praça que havia treinado há algum tempo, mas descartou a ideia após chegar lá e notar que já estava cheio de gente, pensando que poderia incomodar as pessoas com seus movimentos. Oras, se não tinha mais o que fazer na cidade, poderia enfim seguir para alguma rota nas proximidades. Pensara na Rota 5, mas não havia certeza ainda. Ia andando para a saída que levaria a tal local, quando alguém repentinamente chamou sua atenção.

— Ei você, garoto do cabelo branco! — Falou uma voz masculina.

Bloo virava-se para trás, pois tinha quase a absoluta certeza de que era com ele que estavam falando, já que não havia nenhuma outra pessoa com a cabeleira de tal cor. Assim que o fizera, reparou que era um homem não muito velho, o qual não parecia ter mais que seus 25, trajado com uma jaqueta preta, cobrindo parcialmente uma camiseta cuja estampa era de um Flareon. Sua calça, a qual combinava com as roupas superiores, também era de coloração escura, puxada um pouco pro azul, no entanto. Seus olhos miraram, na sequência, no rosto do desconhecido, que possuía um cabelo curto e loiro, ao tempo em que seus olhos eram de um verde quase da cor de uma esmeralda. O rapaz automaticamente ficava tímido, quase sem reação para respondê-lo após a rápida análise que fizera do tal homem.

— A-ahn... oi! — Cumprimentou, num tom de voz quase mudo, mas ainda audível.

— Olá! Vi que seus Pokémon andando com você... pensei que talvez você estivesse a fim de, sabe... batalhar... — Convidou o estranho, que pegava uma Poké Ball em seu bolso. — Oh, que modos. Esqueci de me apresentar, chamo-me Luigi!

O convite havia servido como uma luva para o estranho treinador que entendia seus monstrinhos, mesmo que tenha sido completamente repentino e aleatório. Uma vez que ele estava em busca de um bom local para treinar, restava agora encontrá-lo. Aceitando a proposta, Bloo alertara que não sabia onde a batalha poderia ocorrer, mas aparentemente Luigi tinha o local perfeito em mente. Levara ele até um dos grandes prédios que haviam espalhados pela grande cidade. No topo, um letreiro enorme indicava o nome do local: "Battle Stadium". Assim que entrou, Bloo reparou que o local era bem frequentado, já que logo na entrada já haviam várias pessoas querendo batalhar e discutindo regras e estratégias para o combate com o que provavelmente seria o oponente. Ainda no térreo, a dupla se aproximou do que parecia ser a recepção, mas a fila não estava tão curta assim, o que os obrigou a esperar um pouco.

— Sabe... Há algumas horas procuro alguém para eu enfrentar numa batalha, mas ninguém estava disponível... — Comentou o homem, enquanto olhava para Bloo. — Fiquei feliz de você ter aceitado...

O garoto olhava para ele com um sorriso de canto, mas logo a encarou sua inicial, que não parecia estar gostando tanto da ideia de realizar um combate, observando-se tal fato apenas pela sua expressão de revolta. O menino tentava acalmá-la, porém sem muito sucesso.

— Eu sei que você não gosta de batalhar mas... precisamos fazer isso!

— A troco de quê? — Respondeu Audino rispidamente.

— Ih amigão, foi encurralado pela própria Pokémon mais uma vez... tá difícil pra você! — Comentou Karl, enquanto ria do fato de Bloo não ter uma resposta sequer.

O menino olhava para sua inicial com tristeza, pois de fato não sabia porque estava fazendo aquilo, mas logo virava o olhar para Ralts e percebia o quão empolgado ele estava. Era de fato duas faces da mesma moeda, duas contrapartes num único time. Passaram-se alguns minutos até que enfim fora a vez de Luigi e Bloo serem atendidos. O homem que há pouco era totalmente desconhecido foi o responsável por fazer os procedimentos ali, até por ele ser o detentor de maior conhecimento acerca do local, enquanto o treinador apenas o observara, sem estar entendendo muita coisa. Não demorou muito até que o outro rapaz recebesse da recepcionista uma espécie de ticket, contendo algumas informações.

— Muito obrigado! — Falou Luigi, que começou a andar, ainda acompanhado pelo garoto de roupas claras. — Estava reservando uma arena para nós! Poderemos batalhar sem qualquer tipo de interrupção!

Bloo parecia gostar da ideia, principalmente por se tratar de um ambiente fechado e que ninguém além deles terá acesso, ou seja, sem uma plateia. Isso era ótimo para ele, uma vez que ele não suportava a ideia de ter que batalhar com alguém assistindo a tudo o que ele faz. Assim que chegaram, logo se posicionaram cada um numa das extremidades do campo. Já preparados, faltava decidir um último detalhe.

— Você tem mais algum Pokémon além desses três? — Questionara o homem, que havia reparado nas criaturas do jovem garoto fora de suas respectivas esferas.

— Ahn... n-não... — Respondeu Bloo, ainda um pouco tímido.

— Muito bem então, se você concordar, podemos fazer um 3x3!

O explorador pensava na proposta. Sabia que Audino odiava batalhar, mas ao mesmo tempo era necessário que ela o fizesse para então ficar mais forte. O mesmo caso não acontecia com Houndour e Ralts, que tinham motivos para entrar em combates. O primeiro o fazia para agradar a seu "mestre", de forma que sempre dava o seu melhor para isso, por mais que ainda não tivesse experiência em batalhas. Já o psíquico, por sua vez, sempre teve o insaciável desejo de se tornar o mais forte e, com as batalhas, conseguia provar suas capacidades para si mesmo e para quem estivesse ao seu redor. O garoto tinha a certeza de que poderia fazer um 2x2, mas não sabia se sua inicial toparia entrar em um combate. Olhando-a rapidamente, ele notara que seu olhar não muito feliz ainda estava estampado em seu rosto, mas ela retribuía a encarada, aparentemente já aceitando os fatos. Bloo dá um sorriso de canto de boca, respondendo Luigi na sequência.

— C-certo... vamos de 3x3 então! Eu vou começar com ela! — Falou, olhando para sua Pokémon rosada.

— Sendo assim eu começo com minha fiel Togedemaru!

Estranhando-a num primeiro momento, o moçoilo questionava que criatura era aquela. Parecia um roedor metálico cheio de espinhos. Para saciar parte de suas dúvidas, ele logo fizera uso de seu aparelho rúbrico, a Pokédex, recebendo algumas informações importantes sobre a espécie em questão.

Pokédex:


[Electric][Steel]
Togedemaru, o Pokémon roliço. A pele espinhenta em suas costas geralmente está em repouso. Quando ele se agita, sua pele fica em pé e ataca os seus oponentes.

— Parece ser um Pokémon interessante... mas devemos tomar cuidado com as costas dela Audino! — Alertou Bloo.

Na verdade a criatura normal não poderia estar menos empolgada com esse combate do que já estava, apenas o faria para manter uma boa relação com seu treinador. Estava tudo pronto para que o primeiro turno daquela disputa finalmente tivesse início, e assim aconteceu, com Bloo dando os primeiros comandos, sendo seguido por Luigi.

— Vamos lá Audino! Inicie usando o seu... ahn... Misty Terrain! Prossiga com... Baby-Doll Eyes e termine com seu... Disarming Voice!

— Parece estar hesitando em realizar seus movimentos! Vamos Togedemaru, inicie com seu Thunder Shock e prossiga ao uso de seu Rollout! — Ordenou o homem.

A batalha teve um início bem calmo, com alguns comandos básicos para iniciar bem o combate. Togedemaru, que era mais veloz que sua oponente, logo disparou contra ela seu Thunder Shock, um movimento do tipo elétrico que a acertava em cheio, mas que não parecia surtir um efeito tão devastador. A Pokémon audição, seguindo as ordens de seu treinador, fez uso de seu Misty Terrain, invocando uma névoa rosada que cobria toda o campo, trazendo consigo alguns efeitos que poderiam ser positivos ou negativos para ambos os lados, dependendo da estratégia que cada um adotaria. O segundo movimento começou a deixar o combate, de certo modo, mais emocionante. A criatura normal, brilhando rapidamente seus olhos, fazia o roedor recuar um pouco seu ataque por conta da fofura que era seu movimento. Com o seu poder físico reduzido, Togedemaru sabia que o dano que daria poderia não ser tão catastrófico, mas ainda assim não hesitou: transformando-se num formato perfeitamente esférico, o ele avança a toda velocidade contra seu alvo, mas acabou errando, com Audino facilmente desviando do golpe. No entanto, o rato não desistiu: após voltar ao seu formato padrão, ele logo assume novamente a forma redonda e, assim, avança contra a inicial de Bloo novamente, a qual não conseguiu se esquivar neste momento e, por conta disso, levou seu primeiro golpe naquele combate. Mesmo assim, ela não se sentiu intimidada e logo usou seu Disarming Voice, fazendo uso de sua doce voz para dar dano em seu adversário que, por conta da sua tipagem, resistiu bem.

— Sua amiga é osso duro de roer, mas vamos ver até onde ela aguenta! Vamos Toge, siga com seu Rollout!

Bloo ouvia as ordens de seu oponente. Tinha pouquíssimos segundos para bolar uma estratégia que pudesse dar certo, pois se não impedisse o Rollout, a coisa iria ficar cada vez mais fora de seu controle. Olhava para, além de Audino, Ralts e Houndour, pensando no que fazer em seu próximo turno. Rapidamente chamou a atenção de seu Pokémon de fogo, decidido a fazê-lo entrar ainda naquele turno. Ele, que ainda brincava com seu Psyduck de borracha, parara por alguns segundos, encarando seu treinador, mas não havia entendido ao certo o que era pra ser feito.

— Mestre? Quer alguma coisa? Eu posso fazer o que você quiser, mestre! Você me deu um patinho e eu amo muito ele! Eu te amo muito mestre! — Falou, totalmente agitado.

Bloo ignorava-o por alguns instantes, sabendo que a resposta para sua pergunta viria logo com os próximos comandos que ele faria ainda naquele turno. Respirando fundo, o menino logo dá as novas ordens.

— Audino, use o seu Baby-Doll Eyes e saia do combate, você irá dar o lugar ao Houndour! Houndour, assim que entrar use o seu Ember!

Luigi observava com atenção e surpresa os comandos dados por Bloo, curioso com a estratégia que ele estaria adotando. Audino, assim que ouvira os comandos, não hesitara em fazer seu olhos ficarem ainda mais meigos e fofinhos, o que desencorajava, mais uma vez, o espinhento a usar seus movimentos físicos com sua força absoluta, mas não o impedia de usá-los. Novamente usara seu rolo compressor, que agora avançava com mais velocidade, a acertando em cheio de novo. Após receber o dano, a Pokémon normal rapidamente trocara de lugar com o cachorro de fogo, que estava pronto para assumir a dianteira no combate, até ser acertado em cheio pelo terceiro Rollout seguido do combate. A força disferida contra ele fora muito alta e o suficiente para fazê-lo desmaiar sem sequer ter a chance de contra-atacar.

— O que você estava imaginando? — Questionou o oponente de Bloo, que estava completamente confuso quanto à estratégia dele.

— Eu... eu não sei... — Respondeu, confuso com o que havia feito, mas logo retornando seu cachorro à Poké Ball.

Ralts olhava o combate com um certo medo, tinha quase certeza que, se entrasse em combate naquela situação, iria perder facilmente, enquanto Audino, que ainda não queria batalhar, descansava um pouco para recuperar parte de sua energia perdida anteriormente — o que tratava-se de sua habilidade Regenerator. O jovem-adulto observava ambos para tomar a decisão mais correta possível e, com poucos segundos de raciocínio, enfim a concluiu.

— Audino, conto com você mais uma vez! — Anunciou, enquanto sua Pokémon andava alguns centímetros para, novamente, assumir o combate. — Use o seu Baby-Doll Eyes mais uma vez e siga com Disarming Voice duas vezes!

— Togedemaru, vamos continuar com o Rollout ainda!

A força do movimento rochoso usado pelo ser elétrico era cada vez mais brutal e, portanto, Audino teria que ser totalmente cautelosa se quisesse dar a vitória para seu treinador. Assim, fazendo uso de seu movimento do tipo fada pela terceira vez naquele combate, a inicial fez seus pequenos olhos brilharem fofinho, o que ocasionou na perda de mais um nível de ataque de seu alvo, que reduzia um pouco a força de seu Rollout. Mesmo assim, o movimento rochoso seguia ferozmente contra ela, de tal modo que sequer teve tempo de ver o espinhento chegar em sua direção, recebendo o golpe em cheio e vindo a desmaiar na sequência, bem como Houndour.

— Pelo jeito sua estratégia não deu certo... tente outra vez... — Falou o loiro, avaliando a situação do outro treinador naquele combate.

Com um semblante de tristeza estampado em seu rosto, o garoto trajado em branco logo retornou sua Pokémon à sua esfera, achando que seria melhor que ela descansasse lá dentro. Restava apenas Ralts em jogo. Ele parecia temer entrar em combate, mas não restava outra solução. Quem sabe ele não dava sorte de ter Togedemaru descontrolando seu movimento? Mas Bloo percebia que o rato metálico era muito preciso com seu movimento, provavelmente fruto de muito tempo de treinamento.

— Ralts, eu conto com você! — Encorajou, enquanto observava-o timidamente indo ao campo de combate enfrentar o monstro que era seu oponente. — Vai tudo dar certo! Use o seu Double Team três vezes!

— Vamos Togedemaru, siga com seu Rollout!

O Pokémon psíquico não teve nem chance: o acinzentado avançou com tanta força contra ele que o resultado do impacto, ocasionado pela altíssima velocidade do quinto Rollout consecutivo, fez com que o pequenino fosse jogado contra a parede, desmaiando instantaneamente. Após o movimento, o roliço enfim voltou a ficar em pé, observando a vitória que havia conquistado. Bloo, chocado com aquilo, fora correndo para ver se ele estava bem — mas a resposta era óbvia.

— Você falhou na estratégia de trocar Audino para Houndour... neste momento você pôs tudo a perder! — Comentou Luigi, que até então não havia entendido o que seu oponente tentou fazer.

O rapaz não respondera, apenas colocava a pequena fada em seu colo, que abria os olhos rapidamente e dava um pequeno sorriso para seu treinador. O branquicelo estava extremamente ferido, deixando Bloo chateado e se sentindo um completo incompetente.

— D-desculpa, Ralts... eu tentei...

A criatura psíquica enfim fechava seus olhos. Seu corpo brilhava rapidamente e, em questão de milésimos de segundos, o treinador havia sumido dali, junto de seu Pokémon. Nenhum sinal seu ficara na arena. Luigi olhava assustado, mas logo esboçava um sorriso em seu rosto. Na sequência, pegava um celular que estava no bolso de sua calça, provavelmente pertencente ao próprio, e discava um número. Após alguns segundos, aparentemente a pessoa ao outro lado da linha havia atendido.

— Eu encontrei ele chefe... travamos uma batalha... — Comentou o rapaz, que agora ouvia o outro indivíduo, continuando a responder na sequência. — Não, ele perdeu, e feio! Não sei qual o seu interesse nele...

— Sim, você sabe muito bem! Onde ele está agora? — Indagou a pessoa que estava no telefone falando com Luigi.

— N-não sei... ele sumiu daqui depois que o Ralts dele emitiu um brilho meio... azulado!

— Significa que... ele pode estar em qualquer canto de Equestria... — Afirmou, imaginando que o Pokémon psíquico possa ter usado seu Teleport. — Tudo bem, você já fez o suficiente.

Na sequência, a ligação caía e Luigi guardava seu celular novamente. Bloo havia desaparecido de repente dali, de modo que ninguém mais sabe seu paradeiro. Qual o destino reservado para o jovem menino?

[TO BE CONTINUE...]
Gust F.
avatar
Mensagens : 292

Gust

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Jornada] Gust F.

Mensagem por Arceus em Seg Dez 17, 2018 10:18 pm

★ Avaliação ★
★★★★

Comentário: Bom, saudades de ver você se esforçando pra escrever, eu entendo que as vezes a gente tem que escrever um capítulo que naquele momento não é o que você deseja escrever (eu te entendo tanto que até hj não fiz minha jornada normal, só spin-off) Enfim, vejo que finalmente vai começar um plot geral e isso é muito bom, principalmente por que eu gosto de historias mais elaboradas, isso me da mais motivos pra continuar acompanhando sua jornada. De modo geral senti que faltou animo em você e isso não é bom, porém, cada um faz o que quiser em sua própria jornada. Veremos quem será o Lauts na sua historia rs

★ Pokémon ★★ Item ★
★ Audino recebeu 1627 de Experiência e subiu para o nível 16! (977/1200)

★ Ralts recebeu 1627 de Experiência e subiu para o nível 17! (977/1300)

★ Houndour recebeu 1627 de Experiência e subiu para o nível 16! (977/1200)


Audino
Nvl: 16 (977/1200)
Hp: 53/53
+10 Happiness


Ralts
Nvl: 17 (550/1200)
Hp: 22/22
+10 Happiness


Houndour
Nvl: 16 (977/1200)
Hp: 21/21
+10 Happiness
★ Compras ★
-8.800$

[35] Flamethrower
4000$

[11] Sunny Day
1600$

[17] Protect
1600$

[06] Toxic
1600$

★ Vendas ★

Flor de Gelo
+5.000$

O player recebeu 365 de Experiência de classe e subiu para o nível 6! (165/600)
Item: Timer Ball
Presentes: 1 Vermelho / 2 Azul
Dinheiro: 1.750 + 1.227 = 2.977
Arceus
avatar
Mensagens : 617

Arceus

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Jornada] Gust F.

Mensagem por Conteúdo patrocinado

Conteúdo patrocinado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum